• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Sinta-se Bem

Xô, Zika! 7 Dicas de como usar o repelente e se prevenir do Aedes Aegypti

Especialista revela até qual a aplicação ideal para quando se usa maquiagem na pele.

No verão, não só os seres humanos ficam mais atiçados, mas os mosquitos também. O resultado é um corpinho todo trabalhado nas picadas – e coceiras também.

Mas com as epidemias de doenças e o temido Aedes Aegypti dando sopa por aí, não dá para confiar só na sua raquete elétrica. O melhor é se proteger de verdade com repelentes.

Esse mosquiteiro não funciona

O Brasil enfrenta um grande aumento no número de casos de doenças relacionadas à esse mosquito. Em 2016, até setembro, já foram 200.465 prováveis casos de Zika, 236.287 de Chikungunya e 1.438.624 de Dengue, de acordo com dados do Ministério da Saúde, divulgados pelo G1.

Dra. Julinha Lazaretti, bióloga pós-graduada em Imunologia e diretora de Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos da Alergoshop, revelou algumas informações para que você possa usar o repelente do jeitinho certo e se proteger dos insetos com mais eficácia e segurança. Se liga!

***

1.  sentindo esse cheiro? Não fui eu!

De acordo com a bióloga, os repelentes agem criando uma “nuvem” de cheiro em volta do corpo. Esse odor é desagradável para os mosquitos e garante que eles permaneçam bem longe. Então já sabe, se ainda tem o cheirinho estará protegido.

 

2. Quanto tempo tenho pra matar essa saudade esse mosquito?

Segundo a especialista, os repelentes podem variar a durabilidade de acordo com o material do qual são feitos. O ideal é que você reaplique o produto no tempo mínimo indicado na embalagem, já que essa duração foi estipulada por meio de testes em ambientes controlados, diferente do que acontece na prática.

Geralmente eles devem ser reaplicados de 2 a 4 horas. Já os que são feitos à base de Icaridina, que são de longa duração, podem ser aplicados a cada 7 horas se estiver menos que 30º C. Acima dessa temperatura pode usar a cada 4 horas, aconselha a especialista.

 

3. na mesa, pessoal!

A profissional alerta que, como o Aedes Aegypti costuma picar mais pela manhã e no final da tarde, você precisa redobrar a atenção e sempre usar repelente nesses períodos do dia. Principalmente nas pernas, já que o “meliante” voa baixo e costuma agir nessa região, alerta a doutora.

 

4. Bico longo

A profissional declara que, apesar de certas divergências, alguns especialistas garantem que a picada dos mosquitos podem atravessar as roupas.

Por isso, se você estiver vestido com tecidos mais finos ou tramas largas (e seu repelente é em spray), você pode evitar a dúvida e aplicar o produto por cima da roupa, sugere a bióloga. Não se preocupe, pois não irá manchar a peça.

 

5. Olá meninas, a dica de hoje é repelente com make

Como muitas vezes precisamos usar outros produtos, como protetor solar, hidratante ou maquiagem, fica difícil saber quanto tempo depois devemos passar o repelente.

Segundo a profissional, o melhor após usar um produto na pele é aplicar o repelente entre 15 e 20 minutos depois, principalmente no caso dos que são à base de Icaridina, já que agem através da vaporização do princípio ativo.

 

6. “Esfregue as mãos, bote na nuca, vai na…”

A bióloga informa que, como o repelente só tem eficácia próximo da região onde foi aplicado, para que você fique bem protegido, ele deve ser espalhado uniformemente por toda a pele exposta.

Quando você for utilizar na parte superior do corpo, como rosto, pescoço e nuca, coloque primeiro nas mãos e depois passe nessas partes. Isso é importante para evitar a inalação do produto, revela a especialista.

 

7. Depois de 9 meses, e antes também!

Como este estudo, publicado no The New England Journal of Medicine, comprovou a relação entre o vírus do Zika e a incidência de microcefalia, as grávidas devem ter bastante cuidado.

Segundo a Dra., o indicado para quem está nessa fase é que aplique o repelente no máximo 3 vezes ao dia, com pelo menos 4 horas de intervalo.

Além disso, as gestantes precisam evitar repelentes caseiros, já que eles não passaram por testes, não têm a eficiência comprovada e podem deixar as mulheres grávidas expostas ao risco de contrair doenças, releva a especialista.

Fonte(s): Alergoshop, Bem Estar, Blog do Curioso, The New England Journal of Medicine
Rui Davi
Comunicador baiano que toca guitarra e ainda espera ser um astro do Rock. Enquanto isso, se contenta em escrever. Fã de boas histórias. Faz roteiros, fotografa, edita videos, canta e sapateia.

Tá na rede!

Quero mais!

Veja mais artigos!

Em caso de chefe
clique aqui