• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

Se você tem muitas paixões ao mesmo tempo, talvez seja “Multipotencial”

Veja 5 dicas para se dar bem com a sua Multipotencialidade.

Você é daquelas pessoas que um dia sonham em ser advogado, no outro virar biólogo e no seguinte se tornar youtuber de sucesso com um canal sobre signos?

Então há grandes chances de que você seja multipotencial. Gostar de muitas coisas ao mesmo tempo não é tão estranho e errado quanto você possa pensar. Muito pelo contrário.

Eu não sou estranho e assustador, eu sou legal e maravilhoso.

coach e treinadora de desenvolvimento pessoal Paula Abreu (também advogada, escritora, youtuber e autora de um blog sobre comportamento), revelou que ser multipotencial nada mais é que “ter várias paixões ao mesmo tempo”.

Um ser multi-apaixonado!

Segundo Paula Abreu, multipotencialidade é um variação do termo em inglês multipassionate, que pode ser traduzido como multi-apaixonado. Esta tradução revela sua principal característica, a capacidade de se apaixonar por diversas coisas ao mesmo tempo.

Por causa deste múltiplo interesse, os multipotenciais costumam exercer diversas atividades e estudar sobre diversos assuntos simultaneamente, mas diferente dos geminianos, não ficam na superfície, costumam ir fundo nesses interesses.

A coach Renata Lapetin, que também fala sobre algumas características dos multipotenciais, afirmou em seu blog especializado no assunto, que as pessoas multipotenciais são curiosas, querem saber sobre tudo e estão sempre aprendendo algo.

Também costumam perder o interesse, mas só depois que já se consideram bons no assunto e sentem uma “fobia” em se comprometer profissionalmente (com escolher uma carreira para seguir o resto da vida, por exemplo).

Se você tem essas características, não é difícil imaginar a dureza que é viver em uma sociedade tão limitante, que muitas vezes faz com que sinta deslocado, um peixe fora d’água. Mas essa grande característica torna você e todos os outros multipotenciais uma das apostas para o futuro.

A palestrante Luah Galvão, em um artigo para a revista Exame, afirma que as gerações anteriores, mais focadas, abriram espaço para essa geração multipotencial, que será extremamente solicitada em um futuro próximo. Cada vez mais tem se exigido dos estudantes e profissionais um “jogo de cintura” e uma capacidade maior de aplicar diversas habilidades em sua atuação.

E essa constatação pode ir ainda mais além. Devemos nos lembrar que atualmente estamos passando por uma mudança daquele modelinho formal de mercado. Ter um emprego em uma grande empresa e trabalhar exaustivamente já não é o objetivo de muitos jovens, que buscam uma realização profissional mais completa e diferente das gerações passadas.

Muitos conseguem isso desenvolvendo projetos paralelos, tocando seu próprio negócio ou se especializando de forma “alternativa” (cursos, workshops, etc.) na área que lhes causa mais prazer, sem um comprometimento obrigatório de longa data.

Hoje em dia, é “o que você está sendo?” e não mais “o que você é”.

Crise no vestibular

Mas mesmo havendo essa mudança, ainda não são todos que tem acesso à ela, ou sabem dessa possibilidade. Para alguns multipotenciais, o momento de escolher uma carreira profissional pode ser o maior desafio, por exemplo.

Paula Abreu diz que adora escrever, ler, fazer vídeos, cantar, desenhar, entre outras coisas, tudo ao mesmo tempo. Por isso ela desejava fazer algo no trabalho que abrangesse todas estas paixões, e isto tornava difícil o momento do vestibular, de fazer uma escolha.

Maria Beatriz Loureiro de Oliveira, coordenadora de orientação profissional, falou sobre o assunto para a Folha de S. Paulo, revelou que é mais do que comum essa indecisão devido aos multitalentos dos vestibulandos.

Segundo a especialista, por este motivo, 40% dos estudantes que atende são aconselhados a prestar o exame para vários cursos diferentes.

“Somos seres multipotenciais, ou seja, temos habilidades e interesses por diversas áreas. O cruel é que, quando prestamos vestibular, temos que escolher apenas uma”. – disse a profissional à publicação.

 

5 Dicas para se dar bem com a sua Multipotencialidade

Paula passou algumas dicas práticas para você conseguir se dar muito bem com esse “excesso de dons”. Olha só.

1. Ache o fio da meada das coisas que você gosta

Lembrar o que você dizia que queria ser quando crescesse pode ser mais útil do que você imagina. Segundo a coach, descobrir o que havia por trás das suas preferências por atividades e profissões quando você era uma criança pode te levar a um ponto em comum entre elas.

Achando o fio da meada você descobrirá qual o seu principal interesse, e isto te ajudará a escolher carreiras que estejam de acordo com o que você mais deseja.

Paula conta que, quando criança, queria ser bombeira, o que apontava sua vontade de ajudar pessoas em momentos de crise desde a infância. Isto é justamente o que ela faz hoje em dia no coaching e escrevendo: ajuda pessoas em momentos de crise. Este é o fio da meada das coisas que ela escolheu.

Até mesmo sua vontade em “viajar o mundo todo” pode resultar em uma ajuda para a escolha de sua carreira. Por que você quer viajar o mundo? Se for curiosidade em novas culturas, você pode ser uma boa antropóloga ou antropólogo. Se for o desejo simples de viajar, pode ser até cozinheiro em cruzeiros.

 

2. Use a sua multipotencialidade para se diferenciar no mercado

A especialista afirma que aplicar suas outras paixões na sua atividade profissional “mais certinha” te ajuda a se diferenciar e se posicionar no mercado.

Por ser um generalista, o multipotencial consegue saber um pouco mais de cada coisa, e isso enriquece aquele conhecimento sobre uma determinada área ou atividade que ele domina mais. Por exemplo, você pode ser um professor ou professora de química e tocar violão para que seus alunos consigam decorar as fórmulas.

 

3. Questione-se: qual a razão em se interessar por este novo assunto?

Os multipotenciais geralmente não pensam sobre as razões pelas quais vão estudar sobre um novo tema. Paula dá a dica de pensar sobre o porquê de estar indo estudar ou se interessar por uma determinada coisa. Por que esse interesse repentino em animais marinhos se eu estou estudando engenharia?

Ter essas respostas vai te ajudar a achar aquele “fio da meada” mencionado acima, e sabendo disso também evitará possíveis desistências ou frustrações. Mas é bom lembrar: se você tem realmente interesse, ainda que pareça não ter nada a ver com o que você já estuda ou exerce, vá em frente, aconselha a especialista.

 

4. Não abandone as suas paixões, mesmo se tiver que escolher

Independente se você vai prestar o vestibular, esta entrando ou saindo da faculdade, ou está livre no mercado para “novos projetos”, quando se ver obrigado a decidir entre uma atividade ou outro, decida, mas jamais abandone aquela deixada de lado.

Apesar de você ter aceitado o trabalho no escritório de engenharia, nada impede que faça seu curso de teatro a noite ou toque com sua banda aos finais de semana. Vivencie os seus desejos e talentos, eles poderão ser úteis no futuro, inclusive em sua atividade “oficial”, como falamos no item 2.

 

5. Multipotencialidade sim, preguiça não

O multipotencial deve ficar atento ao interesse repentino em aprender coisas novas, e identificar se isto não é simplesmente procrastinação. Há realmente uma vontade de ir em busca de algo novo, ou isto é simplesmente uma desculpa para abandonar algo antes do fim ou adiar um processo por pura preguiça?

Multipotenciais podem ter a tendência a não terminar as coisas que começam, e isto nem sempre é algo prejudicial. Mas é preciso refletir sobre as razões pelas quais estas coisas serão abandonadas. Você já está realmente satisfeito com o que aprendeu sobre elas?

 

“O mundo quer que a gente desapegue das coisas que a gente gosta, e você não precisa desapegar”. – declara Paula.

 

Veja abaixo o vídeo completo da coach Paula:

Fonte(s): Youtube - Canal Paula Abreu, Folha de S.Paulo, Exame
Tati Santana
Baiana com muito dendê, estudou Marketing e Cinema, mas seu maior crush é escrever. Adora noites de lua cheia, papo esotérico e o jeitinho "rock'n roll meio nonsense" de levar a vida.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui