• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

Você provavelmente é Gay e não sabe, diz estudo

Se você acha que preferência sexual se resume a hetero, homo e bi, é melhor ficar ligado…

Provocações do título à parte, rótulos cada vez mais estão sendo questionados. Ainda bem.

Para quem ainda tinha dúvidas, um estudo recente mostrou que a sexualidade das pessoas é mais complexa e diversa do que se pode imaginar. E se você acha que preferência sexual se resume a heterossexual, homossexual e bissexual, é melhor ficar ligado…

O estudo em questão foi publicado pelo site britânico You Gov. Nele foram entrevistadas mais de 1600 pessoas, concluindo que cerca de metade da população jovem não se define como 100% heterossexual.

Para entender melhor como essas pessoas se viam, os pesquisadores usaram a escala Kinsley (maneira de descrever o comportamento sexual).

Essa aqui:

Kinsey
0 – Exclusivamente heterossexual
1 – Predominantemente heterossexual, ocasionalmente homossexual
2 – Predominantemente heterossexual, mais do que ocasionalmente homossexual
3 – Igualmente heterossexual e homossexual
4 – Predominantemente homossexual, mais do que ocasionalmente heterossexual
5 – Predominantemente homossexual, ocasionalmente heterossexual
6 – Exclusivamente homossexual

kinseyinstitute

Os pesquisadores pediram aos entrevistados que se localizassem nessa escala e este foi o resultado:

kinsey1

yougov

Enquanto 72% do grupo de adultos se definia como completamente heterossexual, 49% dos jovens com idade entre 18 e 24 eram menos binários, não se vendo como completamente hétero. Quando perguntados sobre a possibilidade de se sentirem atraídos, fazerem sexo ou terem um relacionamento com alguém do mesmo sexo, 22% dos jovens apontaram o número 1 da tabela, ao invés do 0.

Esse estudo demonstra o quanto a percepção da sexualidade mudou em apenas uma geração, e como ela é mais complexa que imaginávamos, já que cada pessoa demonstra possuir graus diferentes para a homossexualidade, heterossexualidade e a bissexualidade.

Em comparação com pessoas mais velhas, os números são ainda mais distantes.

Dos jovens entre 18 e 24 anos, 43% consideraram a possibilidade de fluidez na sua sexualidade, apenas 7% dos entrevistados com mais de 60 anos apontaram o mesmo. Dos adultos, entre 25 e 39 anos, 29% ponderaram que sua sexualidade poderia ser mais fluída, em algum grau.

bisexuality1

yougov

É importante entender também que apenas 23% das pessoas que se localizaram no número 1 da Escala Kinsley tiveram alguma experiência com pessoas do mesmo sexo.

De modo geral, 89% da população britânica se descreve como heterossexual. Porém, quando as opção se tornam mais abrangentes, muitos se colocaram no nível 1, aceitando a possibilidade de sentimentos e experiências homossexuais.

Os pesquisadores consideram que a maior descoberta desse estudo é o fato das pessoas estarem com a mente cada vez mais aberta.

E parece que esse isso não reflete somente uma mudança de pensamento da Inglaterra. Institutos de pesquisas como o americano Pew Research Center, também contam com estudos com resultados parecidos: enquanto apenas 55% da população americana em geral apoia o casamento gay, 70% dos jovens da geração Y (jovens nascidos nas décadas de 80 e 90) são à favor.

Um estudo da University of Chicago, de 1973, apontou que 70% das pessoas considerava os relacionamentos homossexuais como “sempre errados”. O fato de agora, o mesmo número ser o de pessoas da nova geração, que apoiam o casamento gay, indica uma mudança radical.

Num mundo onde vemos tantos casos de intolerância e preconceito, podemos ver que ainda há uma luz no fim do túnel, e muito amor no coração. Mas será que no Brasil tendemos ao mesmo pensamento?

Imagem de capa: reprodução – Segundas Intenções

Fonte: Mic

Bia Lancha
Jornalista, nerd, chocólatra, mãe de uma gata banguela e gamer viciadíssima. Se é pra falar sobre coisas engraçadas, teorias absurdas ou nerdices, tamo junto!

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui