• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

Viver reclamando pode afetar seu cérebro, alerta estudo

Para o autor da teoria, o pensamento tem poder e consegue criar nossa realidade.

Crise, roubalheira na política, desemprego, preço do feijão…

Hoje em dia temos motivos de sobra para reclamar e muito, mas saiba que o “mimimi” exagerado pode prejudicar o cérebro. E quem diz isso não é o seu amigo que não aguenta mais tanta reclamação, é a ciência!

Você me conhece, blá, blá blá

Segundo um estudo feito pelo cientista e filósofo Steven Parton e divulgado no Curious Apes, as emoções negativas, tanto vindas da gente mesmo quanto de outros, afetam o nosso organismo muito mais do que imaginamos.

Para o especialista, algumas pessoas não conseguem dar um up na vida justamente por não pararem de se queixar. A teoria do doutor afirma que o pessimismo e as reclamações sempre produzirão mais do mesmo.

“Sinapses (responsáveis por transmitir informações de uma célula para outra no cérebro) que disparam juntas, se mantém juntas”, define ele citando a neuroplasticidade, a ciência de como a mente constrói suas conexões com base em tudo a que é repetidamente exposto.

Tecla SAP, por favor?

Em resumo, o nosso cérebro funciona assim: sempre que temos um pensamento, uma sinapse faz tipo uma “ponte” com uma outra sinapse, e nessa ponte que passa a informação, o pensamento.

Quanto mais pensarmos na mesma coisa, para diminuir esse caminho entre uma sinapse e outra e o pensamento se propagar com mais facilidade, essa ponte vai ficando mais curta.

Se pensarmos muito negativamente, o cérebro vai encurtar e facilitar que esse tipo de pensamento se propague mais e isso pode sim alterar a personalidade da gente, nos deixando pessoas mais desmotivadas e sempre pra baixo.

2reclamar_sosolteiros_gif

Mas, não precisa se desesperar. Como seres racionais que (alguns de nós) somos, temos nas mãos o poder de modificar esse processo antes que seja tarde demais.

Como? Escolhendo criar pensamentos mais positivos e de harmonia, o que garante que nosso cérebro e nossa personalidade sejam modificados para o bem e não para o mal.

E o que fazer com o amigo reclamão?

Sabe quando você está numa boa e de tanto ouvir o seu amigo reclamar também fica numa vibe negativa?

Então, isso acontece porque toda vez que escutamos fofocas, problemas, dramas e lamúrias, temos nosso organismo afetado bioquimicamente, o que diminui as nossas chances de nos mantermos felizes e animados, revela o estudo.

Fora que, ao estar ao lado de quem só reclama, ficamos ainda mais expostos ao estresse. Isso não quer dizer que você não pode ser um bom amigo e tentar ajudar aqueles que te procuram para desabafar, mas fique esperto e ofereça o seu ouvido com moderação.

Que fascinante

A ciência da felicidade

Existe algo que também pode nos ajudar nesse processo de deixar para trás as reclamações do tipo: “Ó vida, ó azar”.

A “ciência da felicidade”, de acordo com o Dr. Parton, se refere a sair a todo custo deste comportamento de queixas contínuas, pois o pensamento tem poder e consegue criar a nossa realidade.

“…se você está sempre reclamando e menospreza o seu próprio poder sobre a realidade, você não pensa que tem o poder de mudar. E assim, você nunca vai mudar“, alerta o cientista.

Então já sabe o esquema, né? Tem que jogar mais pensamentos positivos na cabecinha, mais alegria e não deixar que as bad vibes (que sim, elas estão sempre alí) invadam a mente.

Fonte(s): Curious Apes
Felipe Gatto
Jornalista apaixonado por viajar e se aventurar por aí. Pensar na vida, defender o amor e falar sobre artes também é comigo mesmo.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui