• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

A vida não é um artigo do Hypeness

A juventude que não pode largar tudo para viajar o mundo ou vender brigadeiro.

O título, roubartilhado do facebook, resume tudo.

Sonhos, ao mesmo tempo próximos, ficam cada vez mais distantes. Pelo menos para uma parcela das pessoas. Muito se vende na internet, incluindo aqui no SOS Solteiros, que a nova onda é “largar tudo” para buscar a verdadeira felicidade.

Seria lindo, se não fosse a mesma realidade para atrapalhar.

A especialista em conteúdos Yasmin Gomes, fez uma leitura crítica e necessária sobre esse comportamento que tomou as redes e a cabeça das novas gerações. Afinal, essa tal busca pela felicidade é realmente democrática?

Furar o sistema para encontrar algo que nos complete é o sonho de muitos. Mas refletir sobre as possibilidades, quando as ferramentas necessárias não estão ao alcance, é provavelmente o passo mais importante para não viver isolado em uma bolha social. A vida não é um artigo da internet.

***

Texto por Yasmin Gomes

“A juventude que não pode largar tudo para viajar o mundo ou vender brigadeiro

Eu acho lindas as histórias da “geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão”, mas elas podem gerar um sentimento de depressão muito maior do que de inspiração. Recentemente, um texto da Ruth Manus bombou nas redes sociais. Montes de likes e compartilhamentos para soltar um grito de desespero de quem está infeliz com o que vou chamar aqui de carreira convencional.

Logo no início do texto, a autora já se defende dos que dirão que é muito fácil pedir demissão e mudar totalmente de carreira & estilo de vida quando se tem dinheiro, seja de economia pessoal ou o famoso “paitrocínio”. Ela logo parte para exemplos que não seguem essa linha, diz conhecer pessoas que “venderam o carro, dividem apartamento com mais 3 amigos, abriram mão dos luxos, não ligam de viver com dinheiro contadinho. O que eles não podiam mais aguentar era a infelicidade.”

Ao ler esse trecho em voz alta para meus colegas de trabalho, quase tive cólicas de tanto rir. Só pode ser piada, né!? A média salarial em São Paulo é de R$2.300,00. No Brasil, até o final do ano passado, era pouco mais de R$1.000,00. Em que realidade estão essas pessoas onde “viver com dinheiro contado” e “abrir mão de luxos” são sofrimentos opcionais em detrimento dos seus anseios profissionais?

Outra parte do artigo que tivemos que encarar com muito humor dava o lead de quem encontrou o sucesso pedindo demissão. Foram citadas pessoas que abriram mão de “carrão”, do “cargo fantástico” e até de ser “executiva de grande grupo”. O auge mesmo foi a citação da amiga advogada que jogou tudo para o alto e resolveu voltar a ser estudante e andar de metrô FORA DO PAÍS.

PUTA SOFRIMENTO! Alguém avisa que quase metade dos jovens brasileiros tem que trabalhar para pagar os estudos. Avisa que estágio paga pouco e esses jovens acabam ficando em empregos fora da área de graduação, se formam e ficam pra trás na hora de conseguir entrar no seu mercado. Ah! E, por incrível que pareça, tem até novinhos e novinhas que são arrimo de família!

Não vou nem comentar a suposta bad de ter que dividir apartamento, também citada pela autora, quando a maioria das pessoas que eu conheço não tem dinheiro nem para isso (eu, por exemplo, consegui comprar uma barraca há uns dois anos e parei por aí).

A realidade do Brasil não é de quem pede as contas e vai viajar o mundo. Não é de quem “joga tudo pro alto” e vai vender brigadeiro. A gente vive num lugar em que a maioria das pessoas se permite ser explorada porque precisa ganhar nem que seja uma mixaria no fim do mês. O desespero é tanto que, se a gente não aceita condições deploráveis, alguém vai aceitar. Alguém bom e qualificado, aliás.

A melhor mensagem que o texto da Ruth Manus e tantos outros me passam é de que o sucesso não precisa necessariamente vir nos moldes de carreira executiva. Você pode ser uma pessoa realizada construindo uma bela família, plantando uma horta, fazendo voluntariado, tendo o seu próprio negócio de churros gourmet ou o que for. Existe felicidade e realização além do salto alto e da gravata, mas não tem glamour, purpurina ou post check-in pela Europa (sinta-se uma exceção, se tiver).

Para os jovens que vivem a realidade do nosso país, almoçando coxinha e botando na ponta do lápis cada centavo gasto com busão, o pedido de demissão tem que esperar. E se demorar, não tem problema. Temos a vida toda pela frente, temos uns aos outros, a gente se entende… você não é uma porcaria, um acomodado.

Fica calmo, tá tudo certo.”

Dario C L Barbosa
Fundador e editor do Almanaque SOS. Paulistano, formado em Comunicação Social, trocou os anos em redes de rádio e televisão (SBT, Record, Band, etc.) pela internet em 2012. Vegano e meditante, busca evoluir junto com todos os seres enquanto caminham. ( Twitter - Instagram ).

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui