Bloquearam várias páginas de direita: Afinal, o Facebook é de esquerda?
  • Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Sinta-se Bem

chevron_left
chevron_right

Bloquearam várias páginas de direita: Afinal, o Facebook é de esquerda?

O que está por trás dos interesses de Mark Zuckerberg.

Larissa Vitoriano Publicado: 23/10/2018 12:09 | Atualizado: 24/10/2018 11:00

As redes sociais transformaram a forma do ser humano se comunicar. O Facebook é a mais popular entre elas, só no Brasil a rede atingiu a marca de 127 milhões de usuários ativos em 2018, ou seja, mais de 60% da população brasileira.

Pelos números já dá para imaginar a influência da rede de Mark Zuckerberg no país, ainda mais em ano eleitoral acalorado pela polarização dos discursos dos partidos políticos e o racha entre “Direita” e “Esquerda”. Isso sem contar seu outro produto, o Whatsapp.

Seja no grupo da família, no ônibus ou na fila de espera do banco os burburinhos sobre o racha entre conservadores e progressistas estão rolando desde muito antes das eleições. Até as reuniões de família que já são insuportáveis conseguiram ser piores no últimos meses.

Eleições 2014 vs. 2018

Nas eleições anteriores a briga era entre petistas e tucanos, calhando em um impeachment extremamente polêmico dois anos depois. Sabe-se lá o que pode acontecer com o novo morador do Palácio da Alvorada a partir de 1 de janeiro de 2019.

Com o escândalo de propagação ilegal de informação falsas camufladas como notícias, manchetes e vídeos, diversas teorias da conspiração permeiam pela timeline do Facebook com textões argumentativos sobre os possíveis novos moradores de Brasília – no Whatsapp a coisa só piora.

Até lá, a treta entre os cidadãos de bem e e a turma do #EleNão continua. Mas afinal, o que o Facebook tem a ver com isso?

Em depoimento de 5 horas ao Senado americano, Mark Zuckerberg admite erros do Facebook.

 

1. Karl Marx aprovaria a rede social de Zuckerberg?

Dizem por aí que, com o bloqueio de páginas da extrema-direita, o Facebook tende à esquerda, sob o discurso de teorias da conspiração e censura ao conteúdo considerado “conservador” e “tradicional”.

A sede do Facebook fica no Vale do Silício, um lugar conhecido por terem profissionais da tecnologia com grande tendência progressista para política e ultra-liberais para a economia, bem diferente do espectro protecionista da esquerda convencional.

Quando o bilionário foi convocado ao Senado americano para depor em abril deste ano sobre o vazamento de dados pessoais de 87 milhões de pessoas, ficou mais evidente o fato. Ele foi questionado por senadores estadunidenses, principalmente, sobre quais informações dos usuários a empresa havia concedido à terceiros. (falamos sobre isso aqui).

Acontece que Karl Marx e Friedrich Engels – os pais do Manifesto Comunista, mais conhecido como a bíblia da esquerda – se remoeriam no caixão toda vez que alguém dissesse que a classe trabalhadora ganhou uma rede social que tem como modelo de negócios a venda de dados pessoais à empresas privadas.

Ou seja, o Facebook jamais seria de esquerda.

Privacidade de dados

 

2. Fake News é de direita ou esquerda? E o que o Facebook tem a ver com isso?

A rede social de Mark Zuckerberg anda censurando centenas de páginas que comprovadamente publicaram notícias falsas. A plataforma tem banido conteúdos no mundo inteiro, ainda mais no Brasil em ano de eleição.

No mês de Julho, por exemplo, a rede social informou a exclusão de 196 páginas e 87 contas brasileiras que produziam fake news, ligadas ao grupo de direita, MBL (Movimento Brasil Livre). Entre elas, a do Movimento Brasil 200, do CEO da Riachuelo e ex-candidato a presidência, Flávio Rocha.

A postura permissiva aos conteúdos ofensivos e falsos sob o discurso “somos contrários à censura” que a empresa tinha até então, trouxe inúmeros problemas. Entre eles, a bolha das redes sociais e as métricas.

As métricas giram em torno do dinheiro: quanto mais engajamento, melhor. E não importa o conteúdo. Essas fanpages movimentam muita grana com seus compartilhamentos, taxa de cliques e alcances pagos.

Mas, de acordo com o Ibope, apesar dos brasileiros passarem em média 5 horas por dia à frente do computador, os jornais impressos ainda teriam mais credibilidade; 71% dos entrevistados disserem confiar pouco ou nada em notícias veiculadas nas redes sociais.

O problema é que o Brasil ainda é o local em que o Facebook tem maior popularidade como fonte de notícias. Segundo uma pesquisa global do Instituto Reuters, 66% dos brasileiros se informam pela rede social; sendo que 46% dos entrevistados disseram consumir notícias pelo aplicativo de conversa, Whatsapp.

Já de acordo com uma pesquisa recente do Datafolha, nessas eleições os usuários consumiram informação principalmente pelo Whatsapp: 61% dos eleitores de Jair Bolsonaro (PSL) se informaram pelo pelo aplicativo, os eleitores de Fernando Haddad (PT) o número cai para 38%.

Facebook só tomou uma postura mais incisiva, de bloquear as páginas que compartilhavam notícias falsas, depois da polêmica eleição estadunidense que botou a segurança da empresa em cheque; Donald Trump venceu Hillary Clinton com ajuda da feroz máquina de Fake News, Cambridge Analytica (falamos sobre isso aqui).

Portanto, Zuckerberg não segue uma orientação política, e sim, uma orientação legal (jurídica). Para garantir a integridade da corporação (lê-se lucro), qualquer perfil ou página que divulgue notícias falsas pode ser bloqueada a qualquer momento, seja de esquerda ou direita.

Foi um grande erro. Eu errei. E estou arrependido.

 

3. Facebook manipula os conteúdos?

Sim e não é pouco. Quando alguém dizer algo sobre: “mas no meu Facebook todo mundo vota no candidato X, logo, ele vai ganhar”. Primeiro passo: desconfie e pense sobre a finalidade da rede social.

As métricas do Facebook, como de todas as redes sociais existentes na internet, incluindo o Youtube e Instagram, são baseados nos conteúdos que o usuário mais acessa, ou seja, quanto mais pesquisar sobre um político, mais ele (ou sua ideologia) aparecerá na sua timeline.

A sensação de que aquela é uma verdade geral pode parecer absoluta e verdadeira, mas é só mais uma forma das redes ganharem cada vez mais dinheiro. A partir das suas afinidades, define exatamente sobre quem você é e seus interesses, inclusive políticos.

Assim, fica mais fácil direcionar uma campanha específica para aparecer na timeline e converter em engajamento e vendas. Atualmente, em votos. E assim mantém o mecanismo de uma única opinião, resultando na polarização dos extremos (falamos tudo sobre isso aqui).

Você

Antes de esbravejar porque sua página favorita foi bloqueada ou porque o grupo que divulgava memes foi desabilitado, reflita com calma. Vivemos um momento delicado e caótico de transição, as possibilidades que a internet proporciona ainda estão sendo exploradas. Qualquer pessoa ou grupo mal intensionado pode se aproveitar disso. Não se deixe manipular.

Consuma informações com calma, sempre cheque se a mesma é verdadeira (ensinamos como fazer isso aqui). Não acredite apenas em uma manchete bombástica difundida no grupo de Whatsapp ou quando pipocar na sua timeline do Facebook.

O futuro já começou.

Larissa Vitoriano
Paulistana e jornalista. Experiência em TV, conteúdo para web e social media. Aos finais de semana, foge para as montanhas ou bebe cerveja. Às vezes, os dois ao mesmo tempo.

Tá na rede!

Quero mais!

Veja mais artigos!

Em caso de chefe
clique aqui