• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

“Todas as vidas importam”: por que só vidas negras, e as outras?

Black Lives Matter, vidas negras importam… mas e as outras?

Dario C L Barbosa Publicado: 02/06/2020 13:11 | Atualizado: 06/06/2020 17:09

O recado agora é rápido para você que, ao invés de apoiar a campanha #BlackLivesMatter (“vidas negras importam”), acredita que “todas as vidas importam” deveria ser a palavra de ordem.

A mensagem, simples e divertida, veio em um vídeo que viralizou nas redes sociais:

O vídeo é uma versão de um quadrinho que também fez sucesso nas redes sociais:

Falando em casa pegando fogo, vamos aos dados:

  • Segundo o anuário da violência: 75% dos mortos pelas polícias brasileiras são negros.

  • A Pesquisa Nacional de Vitimização mostra que 6,5% dos negros que sofreram uma agressão no ano anterior à coleta dos dados pelo IBGE, em 2010, tiveram como agressores policiais ou seguranças privados (que muitas vezes são policiais trabalhando nos horários de folga), contra 3,7% dos brancos.

  • Ao mesmo tempo que, segundo o Atlas da Violência deste ano, 66% de todas as mulheres assassinadas no país são negras.

  • Os levantamentos ainda demonstram que aos 21 anos de idade, quando há o pico das chances de ser vítima de homicídio, os jovens negros tem 147% mais chances de serem assassinados do que brancos.

  • Segundo o Boletim de Análise Político-Institucional (Bapi), a probabilidade do negro ser vítima de homicídio é oito pontos percentuais maior, mesmo quando se compara indivíduos com escolaridade e características socioeconômicas semelhantes.

Sejam as crianças assassinadas nas favelas do Brasil ou os homens pretos cruelmente sufocados até a morte nos Estados Unidos, uma coisa é bastante clara: a carne mais barata do mercado é a carne negra.

Se mesmo depois do vídeo ou desses dados, ainda não consegue entender a importância da campanha “vidas negras importam”, o problema na verdade é você.

Dario C L Barbosa
Fundador e editor do Almanaque SOS. Paulistano, formado em Comunicação Social, trocou os anos em redes de rádio e televisão pela internet em 2012. Vegetariano, meditante e ecossocialista na luta por consciência e equidade. ( Twitter - Instagram ).

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui