• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

O “Teste de Sobrevivência” que emocionou a internet; faça agora e se surpreenda

Você seria capaz de sobreviver a um cataclisma?

A internet está cada vez mais cheia de joguinhos e quizzes. Mesmo sabendo que eles podem ser perigosos, é tamanha criatividade que acabamos nos rendendo à eles.

O novo sucesso retumbante nos feeds, no entanto, trata-se de um quiz capaz de identificar se você seria capaz de passar em um teste de sobrevivência. Afinal, quem nunca viu “The Walking Dead”e pensou “humm, eu correria para o outro lado“.

Através de 5 perguntinhas com duas opções de resposta, novas situações vão sendo criadas em uma rotina fictícia para, ao final, descobrir se você conseguiria sobreviver a esses grandes desastres que vemos na tela do cinema.

Como a gente não gosta de falar as coisas pela metade, abaixo contaremos o resultado. Então se não quer spoiler, CLIQUE AQUI para fazer o teste.

– Como o número de acessos está altíssimo, a plataforma está enfrentando problemas e pode ser que dê algum erro durante o seu teste. Mas atualize a página e tente novamente. Vai valer a pena.

Spoiler do “Teste de Sobrevivência”

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

Infelizmente os desastres apresentados pelo quiz não estão nas telas de cinema ou na sua série favorita, como mencionado.

A Síria, desde 2011, vem enfrentando uma guerra civil que já matou mais de 500 mil pessoas e deixou outras 13 milhões dependentes de ajuda humanitária. E é sobre essa realidade que esse quiz se baseia.

Apesar da guerra estar se estendendo por anos, apenas recentemente ela começou a ganhar destaque na internet, devido a imagens e vídeos mostrando o caos que se encontra a região.

Civil entre os destroços da guerra na Síria.

Com autor anônimo, o “jogo de perguntas” é um formulário disponível no Google Drive que evita usar dados sobre a guerra para fisgar a atenção do internauta.

Usando apenas o título “Teste de Sobrevivência”, a primeira vista passa a impressão de ser mais um daqueles egocêntricos testes do Face, uma forma de atrair pessoas que, por falta de informação, ainda não tem consciência da proporção dessa guerra.

Com situações corriqueiras, aos poucos vai se construindo um roteiro real e cruel da rotina que milhares de sírios enfrentaram. A grande sacada do teste é mostrar que essa realidade seria exatamente a mesma que a nossa, se não fossem as bombas e os corpos ensanguentados que fazem parte dela.

Os mortos são pessoas comuns como nós, muitas crianças também, que estavam no caminho do trabalho, planejando uma faculdade ou combinando de jantar com o crush depois do expediente quando uma bomba mudou sua rotina.

Como os brasileiros podem ajudar os sírios?

Compartilhar imagens e vídeos no Facebook pode tocar corações, mas não muda a vida de ninguém. Através de doações ou até mesmo prestando ajuda e solidariedade aos refugiados que chegam ao nosso país, é possível ajudar a amenizar os danos de maneira concreta.

Após concluir o teste, são apresentadas algumas opções de organizações sérias e confiáveis que oferecem todo tipo de apoio e cuidado às vitimas dessa guerra. Abaixo listamos essas e outras opções para quem quer ajudar de verdade:

  • UNICEF

A Unicef mantém um campanha destinada apenas aos sírios e usa o dinheiro arrecadado para compra de cobertores e vacinas. Para doar, clique aqui.

  • Capacetes Brancos

Os “Capacetes Brancos” são voluntários sírios, pessoas que antes da guerra tinham suas profissões, como padeiro, professor, etc., após a tragédia dedicam-se a ajudar as vítimas da guerra, livrando-as dos escombros e prestando qualquer tipo de ajuda necessária. A doação é usada para recuperar voluntários feridos e comprar novos equipamentos de segurança. Para doar, clique aqui (em inglês).

  • Médicos Sem Fronteiras

Essa organização internacional também presta socorro na região afetada pela guerra. O dinheiro doado é usado para dar toda estrutura médica necessária às vítimas. Para doar, clique aqui.

  • Cáritas

O Programa de Atendimento a Refugiados e Solicitantes de Refúgio da Cáritas (grupo de organizações humanitárias da Igreja Católica) funciona no Rio de Janeiro e tem como objetivo dar total apoio e suporte aos refugiados que chegam à cidade, dando abrigo, alimentação, cursos de português, etc. A doação é usada ara manter toda essa estrutura. Para doar, clique aqui.

  • Save the Children

Esta organização tem como objetivo apoiar e prestar ajuda as milhares de crianças refugiadas em todo o mundo, dando-lhes segurança e oportunidades que podem garantir um futuro melhor a elas. Para doar, clique aqui.

  • Comitê Internacional de Resgate

Além de apoiar algumas clínicas médicas na região onde ocorre a guerra, o Comitê Internacional de Resgate ainda presta socorro à famílias de refugiados, dando cuidados médicos, alimentação e outras ajudas necessárias. Para doar, clique aqui.

  • Acnur

A Acnur, agência ligada a ONU, levanta fundos para ajudar, de diversas maneiras, as famílias na Síria, assim como os refugiados do país. Para doar, clique aqui.

  • Estou Refugiado

O movimento “Estou Refugiado” acontece em São Paulo e usa uma plataforma para conectar possíveis empregadores aos refugiados que chegam à cidade, dando uma possibilidade da entrada no mercado de trabalho a essas pessoas já fragilizadas pela guerra. Para saber como ajudar, clique aqui.

 

ATUALIZAÇÃO [12/03/2018]

O autor do teste, até então desconhecido, acabou por se pronunciar em sua rede social e trata-se de Guilherme Pupo, um publicitário de São Paulo.

De acordo com sua publicação no Facebook, o teste criado sem muitas ambições, está gerando repercussão capaz de aumentar o fluxo de ligações e e-mails destinados ao movimento “Estou Refugiado”, em São Paulo.

Ainda na publicação, ele conta que não conseguiu entrar em contato com as outras instituições para saber se por lá também houveram resultados positivos, mas diz estar feliz com todo o barulho da ideia. Boa, Guilherme!

Fonte(s): BBC, Hypeness
Redação - Almanaque SOS
Sempre tem jeito. Acompanhe o SOS também pelo Facebook, Instagram e Twitter

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui