• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

A ciência explica de que forma o dinheiro pode comprar a felicidade

Apesar disso, nem tudo são flores.

Dinheiro não compra a felicidade. Será?

Segundo este estudo, publicado no site científico Psychology Today, consumir cria um sentimento de felicidade por conta da dopamina, substância química liberada pelo organismo que influencia os centros de prazer no nosso cérebro.

Por este motivo, os seremos humanos estão quase sempre em busca do que a psicologia chama de “gratificação instantânea“, o ato de sermos recompensados instantaneamente, como ao comprar algo ou ao receber elogios, por exemplo.

Repare, após sair da loja com a sacolinha em mãos, aquele frisson todo que você estava sentindo provavelmente ficará menos intenso, isso porque a liberação de dopamina tende a diminuir depois que obteve o que desejava.

Pelo menos até você ir atrás de mais uma “gratificação instantânea”. Qualquer semelhança com o consumo de drogas não é mera coincidência.

Esperando a felicidade

Embora esse comportamento seja da natureza humana, a sociedade de modo geral funciona de forma diferente, através da “gratificação tardia”.

A gente trabalha para receber o salário só no fim do mês, no restaurante ficamos aguardando nosso prato chegar à mesa, filas e mais filas. Ou seja, na grande maioria dos casos devemos trabalhar com o tempo para conseguirmos aquilo que desejamos.

E quando o momento de sermos recompensados chega, a dopamina é novamente liberada e ficamos felizes. Ou seja, nestes casos, o que a pessoa sente não é realmente felicidade, é apenas a reação química da dopamina no organismo, o que você adquiriu, a “coisa” conquistada tem um efeito secundário nesse sorrisão estampado na cara.

E assim que você se “familiarizar” com a conquista, a dopamina para de ser liberada e a felicidade desaparece. Mais uma vez, qualquer semelhança com o abuso de drogas não é mera coincidência.

É exatamente por isso que o ditado diz que dinheiro não trás felicidade, pois além da bufunfa não proporcionar o sentimento verdadeiro, a emoção que você sente é passageira.

Gratificação Instantânea vs. Tardia

Para se aprofundar mais nesse assunto, um estudo desenvolvido por cientistas da Universidade de Princeton, Estados Unidos, analisou como funciona o nosso cérebro durante a “gratificação instantânea” e na “gratificação tardia”.

Na pesquisa, foram formados dois grupos, onde cada uma das pessoas ganharam 40 dólares para gastar.

Porém, para o grupo 1 foi pedido que eles comprassem um objeto, algo para eles. Para o grupo 2 foi pedido que gastassem com algo que rendesse mais tempo livre, como pedir comida e não cozinhar ou pagar uma diarista e não precisar limpar a casa.

Ao final do estudo, as pessoas que não gastaram a grana com bens materiais, mas com maneiras de ganhar mais tempo livre, foram diagnosticadas pelos cientistas como muito mais felizes do que aquelas que compraram uma coisinha qualquer.

Portanto, embora dinheiro não traga felicidade, conforme o primeiro estudo sugeriu, se você usá-lo para ganhar mais tempo para curtir sua vida, fazer as coisas que você gosta, a felicidade virá como consequência.

Então, podemos concluir que o dinheiro pode ser uma bela ferramenta para atrair a felicidade, certo? Mais ou menos. Se analisarmos apenas o “nosso umbigo”, até faz sentido. Mas o mundo não é feito apenas de nós mesmos.

Reflita com a gente, se comprar “tempo livre” para você, significa que o comprou de outra pessoa. Ou seja, alguém vai ter menos tempo livre e mais dinheiro – você transferiu a felicidade dela para você. Então, por mais que o dinheiro possa comprar a SUA felicidade, te dando mais tempo livre, ela retira isso de outra pessoa.

Agora imagine quem tem mais dinheiro, as pessoas mais ricas, elas podem comprar o tempo livre delas – e muitas vezes por um preço baixíssimo – enquanto quem tem menos dinheiro perde esse tempo de vida e fica cada vez menos feliz.

O dinheiro pode até comprar felicidade, mas para isso precisa retirá-la de alguém.

De qualquer maneira, o que aprendemos é que para ser feliz, melhor do que ter dinheiro é ter tempo para fazer o que gostamos e conviver com quem amamos. Isso, sim, traz muita felicidade pra nossa vida!

Fonte(s): Lifehack
Redação - Almanaque SOS
Desvendando o dia a dia. Acompanhe o SOS também pelo Facebook, Instagram e Twitter

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui