• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

Que tal gastar R$168 milhões nas Lojas Havan? Eles fizeram isso!

Esse sonho foi realizado no Shopping Itaquaquecetuba, em São Paulo.

  • A ação levou 50 sem-tetos para os corredores da Loja Havan.

  • O valor se refere às dívidas que o empresário Luciano Hang tem com o Estado.

  • Apesar de afetar a previdência, a dívida foi parcelada em 115 anos.

Imagine ir em uma loja de departamento e gastar milhões de reais de uma só vez?

Pois esse sonho foi realizado por ativistas, ontem (5), no Shopping Itaquaquecetuba, zona metropolitana de São Paulo, em uma ação organizada pelo Movimentos dos Trabalhadores Sem Terra (MTST) que levou 50 sem-tetos para os corredores da Loja Havan.

De maneira pacífica, os ativistas logo começaram a encher vários carrinhos com suas “compras”, dentre elas haviam roupas, travesseiros, cobertores e colchonetes.

Na hora do pagamento, veio a surpresa: um gigantesco cheque simbólico no valor de R$168 milhões foi entregue para quitar os produtos. E tal quantia não foi a toa. Esse valor se refere às dívidas que o empresário Luciano Hang, dono da rede, tem com a Receita Federal e o INSS.

A manifestação chama atenção para a postura de “bom empresário” adotada por Hang, forte apoiador de Jair Bolsonaro e já considerado o mais engajado empresário bolsonarista; ao mesmo tempo em que encabeça o movimento que pressiona pela reforma da previdência, posterga o pagamento da sua dívida com a mesma, hoje parcelada em 115 anos. Sim, CENTO e QUINZE ANOS.

De acordo com os organizadores, o protesto aconteceu de forma pacífica e foi encarado com leveza inclusive pelos funcionários da loja, salvo algumas exceções. Mesmo sendo feita com bom humor, a medida teve alto impacto – principalmente nas redes sociais.

Isso nos faz lembrar de que algumas lutas e pautas sociais podem, sim, ser defendidas de forma pacífica. Há algumas semanas compartilhamos outro exemplo aqui: ativistas realizaram uma campanha para levar os consumidores à reflexão sobre as precárias situações das granjas que abastecem ovos em unidades do Pão de Açúcar.

Obviamente, não é sempre que protestos podem ser feitos assim, com leveza, sem causar incômodo nas demais partes envolvidas. Mas de qualquer forma já surgiram novas ideias…

Fonte(s): Facebook - Mídia Ninja
Daiane Oliveira
Redatora, feminista e mãe. Discute religião, política, sexo e hábitos sustentáveis. Não discute futebol porque não entende. Quem sabe um dia.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui