• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Comes & Bebes

chevron_left
chevron_right

O que é pior, Coca Cola normal ou Coca Zero?

Precisamos falar sobre o mito dos refrigerantes.

Que atire a primeira latinha quem nunca bebeu refrigerante na vida! Seja em festinhas de aniversário, confraternizações de família ou no almoço com o pessoal do trabalho, o refri faz parte do nosso hábito alimentar.

Eu aceito, eu aceito, eu aceitooo

Mas todo mundo sabe que refrigerante não é nada saudável. Segundo a nutricionista Marina Favalli, ele acaba com seus dentes, pode causar obesidade e diabetes, aumenta os fatores de risco cardiometabólicos… enfim, só derrota!

“Os refrigerantes não acrescentam nada em termos nutricionais à dieta da população, muito pelo contrário. O seu consumo excessivo pode causar diversos males, tais como: a obesidade devido à quantidade de açúcar que contém (30 gramas ou 2 colheres de sopa por lata); a hipertensão devido à alta concentração de sódio, em especial quando a ingestão for superior a 2,5 latas ao dia; as cáries devido à acidez e ao açúcar de sua composição; o diabetes tipo 2 devido à resposta insulínica pelo pâncreas; e doenças ósseas devido ao fosfato, que prejudica a absorção de cálcio.” – explicou a especialista.

Já para a nutricionista Letízia Nuzzo, refrigerante é um alimento que não deveríamos consumir de forma alguma. Afinal, não nos acrescenta nada – só tira.

“Há estudos indicando que bebida carbonatada aumenta a excreção urinária de cálcio, principalmente as que contêm elevada quantidade de ácido fosfórico e cafeína, acarretando na desmineralização óssea e dentária. Além disso, refrigerante não colabora com bom valor nutritivo ao organismo, é totalmente dispensável, nesse sentido” – alerta.

Talvez para tentar não sofrer com todos esses malefícios, estudos apontam que o consumo de refrigerantes com redução de açúcar ou calorias, como diet, light ou zero, vem aumentando – principalmente entre jovens.

Substituir os refrigerantes normais pelos zero é realmente uma boa solução?

Favalli explica que a diferença fica apenas nas calorias e açúcar:

refrigerantes zero não fornecem nem calorias e nem açúcar, pois são adoçados com edulcorantes artificiais, tais como aspartame, ciclamato e sacarina. Sua utilização seria vantajosa em relação à obesidade e diabetes”.

Eba, então isso é uma boa notícia, certo? Não é bem assim; a especialista faz um alerta: [refrigerante zero] contêm sódio, ácidos e conservantes assim como o tradicional, não podendo ser considerado saudável”.

Vale esclarecer que, na verdade, o refrigerante zero tem quantidade de sódio ainda maior que o convencional. Ou seja, apesar de algumas pessoas acreditarem que os refrigerantes zero têm o objetivo de serem mais saudáveis, eles continuam sendo ruins para a nossa saúde.

Mas qual é pior: refri normal ou zero?

Ambos podem prejudicar. Tanto para adoçante quanto para açúcar, existe quantidades recomendadas para evitar prejuízos ao organismo. Considerando todos os alimentos e produtos alimentícios [açucarados ou adoçados] que a pessoa poderá consumir em um dia, deve-se atentar para o exagero com a inclusão do refrigerante na alimentação”, aponta Nuzzo.

E isso é bem assustador. E fica pior quando descobrimos que o refrigerante é o sexto alimento mais consumido por adolescentes no Brasil.

Cerca de 30% dos jovens brasileiros de 18 a 24 anos tomam refrigerante todos os dias, segundo dados da pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), do Ministério da Saúde. A pesquisa aponta também que 28,5% de pessoas nesta faixa etária comem doces em excesso.

Segundo o Bem Estar, desde 2006, quando a pesquisa Vigitel começou a ser feita, a parcela de adultos com diabetes no Brasil subiu de 5,5% para 7,4%.

Não existe refrigerante melhor, o ideal seria não consumi-lo, pois os malefícios são inúmeros, conforme citado anteriormente. Se as pessoas fazem questão de consumi-los, a escolha depende do objetivo de cada um. Aqueles que estão seguindo dieta com baixas calorias ou que querem controlar ou evitar o diabetes devem se abster do refrigerante convencional e optar pelos diets ou zero”, esclarece Marina Favalli.

“O diet e o zero são praticamente iguais, o que muda nessas bebidas é o tipo de adoçante. O light também contém adoçante, contudo esse termo é empregado para designar redução de um nutriente (no caso, açúcar). Então esse refrigerante poderia até conter um pouco de açúcar” – complementa Letízia Nuzzo.

Não tem vantagem tomar refrigerante light?

“A vantagem da utilização de refrigerantes light é a redução de calorias para as pessoas preocupadas com peso corporal, (…) mas é importante lembrar que contêm sódio. (…) Os estudos ainda não conseguiram decifrar o papel destas bebidas no peso corporal e o ideal é que seu consumo seja moderado.

Para os diabéticos, a opção deve ser o diet, já que essas pessoas precisam controlar a sua glicemia. Para pessoas que querem ter uma vida saudável e um peso adequado, há uma polêmica quanto ao consumo dos refrigerantes diet e light, pois o uso dos mesmos não garante emagrecimento, já que de nada adianta consumir alimentos diet e light sem associá-los a hábitos alimentares saudáveis” – ressalta Favalli.

E dá pra ser viciado em refrigerante?

Se você chegou até aqui pensando “ferrou, como eu vou ficar sem refri?”, o negócio fica ainda mais assustador. Pois, sim, é possível ser viciado em refrigerante!

Marina Favalli alerta que os refrigerantes à base de cola viciam, por conterem cafeína. Bateu uma tristeza? Então calma, que talvez você não seja dependente (ainda). Para que isso ocorra, o seu consumo deve ser constante e em grande quantidade. Portanto, controle-se!

Posso parar quando eu quiser

Veredicto final: tá tudo ruim!

Pois é. Não tem diferença, refrigerante normal, diet, light ou zero, tudo faz mal – ainda mais se for de cola. Além de todos os conservantes e ácidos, se não é por um motivo (excesso de açúcar), é por outro (excesso de sódio). Por isso, não pense que tá liberado se esbaldar nos refris com redução de calorias ou açúcar.

“Tudo depende da quantidade a ser consumida. O fato de ser zero jamais pode significar que o consumo poderá ocorrer à vontade, pois existe dose permitida de adoçante ao organismo, assim como de açúcar. Muitas pessoas estão fazendo uso indiscriminado de produtos com adoçantes e tudo que é demais acarreta dano“, avisa Letízia.

Favalli alerta que o fato dos refrigerantes conterem sódio, corantes e conservantes, junto com o ácido cítrico e fosfórico, faz deles grandes vilões. Mesmo sendo zero ou até a nova versão Stevia, da Coca-Cola.

“O ideal é substituir os refrigerantes por sucos naturais, chás suaves, água de coco e água in natura – sendo a última a melhor fonte de hidratação para o nosso corpo”.

E vale sempre lembrar que basicamente todo alimento industrializado que comemos ao longo do dia (pães, cereais, biscoitos, barrinhas e inclusive alguns salgadinhos) contém adoçante na sua composição. Logo, excesso de sódio também.

Resumindo, não basta ficar de olho apenas nos refrigerantes. Seja consciente, coma e beba da maneira mais natural possível.

Fonte(s): Bem Estar, EBC
Bia Lancha
Jornalista, nerd, chocólatra, mãe de uma gata banguela e gamer viciadíssima. Se é pra falar sobre coisas engraçadas, teorias absurdas ou nerdices, tamo junto!

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui