• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato

Vai, planeta!

Ossos de couro são um perigo para os cachorros; entenda o motivo

Um verdadeiro banho de substâncias químicas perigosas.

Dario C L Barbosa Publicado: 20/09/2017 11:00 | Atualizado: 20/09/2017 11:04

Dar um daqueles ossinhos de couro para o dog morder e brincar a vontade é um belo gesto de carinho, certo? Errado!

A informação de que os ossos feitos de couro são um verdadeiro perigo para os animais não é recente, mas se você não sabe o motivo disso, a gente explica agora.

Além do grande risco de engasgamento e problemas estomacais que os pedaços do produto podem trazer, apontados pelo site Clube para Cachorros, o método como o brinquedo-aperitivo é produzido também oferece muito perigo ao seu cãozinho.

O site canadense especializado em pets, Planet Paws, visitou uma das linhas de produção do produto e desenvolveu um vídeo de alerta, relatando como funciona a produção.

Viu, como se faz?

Para transportar o couro do abatedouro ao cortume (local onde se tratam as peças de couro), ele passa por um banho químico para evitar o apodrecimento.

Já no local adequado, o couro é mergulhado e processado com outro produto químico chamado lixívia ou então uma mistura tóxica de sulfeto de sódio, para retirar os pelos e a gordura do material.

Depois o couro é novamente processado com mais produtos químicos, que o fazem inchar, para ficar mais fácil de separar as camadas do material. A camada externa, é o couro que a gente vê em bolsas, sapatos e jaquetas. A interna, é o que se transforma nos ossinhos do nosso cão.

Para remover o cheiro de couro cru, ele é lavado e clareado com água oxigenada e alvejante, porém, a maior parte dos couros já estão pretos e podres. Para disfarçar essas características, eles são pintados com dioxido de titânio (substância possivelmente cancerígena à humanos), que os deixa branquinhos e mais “apresentáveis” aos consumidores.

Couro segundos antes de ser mergulhado em substâncias altamente tóxicas.

Para finalmente dar uma cara apetitosa ao produto, eles são tingidos com corantes e flavorizantes, que podem conter diversas substâncias cancerígenas, como FD&C Vermelho 40 e conservantes como o benzoato de sódio.

Ao final do processo, cada fabricante é livre para aplicar qualquer substância no produto, com o objetivo de fazê-lo durar mais. Os ossos de couro não são considerados alimentos pelo FDA (órgão que regulamenta os alimentos nos Estados Unidos), o que significa que qualquer produto químico pode ser realmente usado.

De acordo com a publicação, em testes realizados nos ossinhos, já foram encontrados substâncias tóxicas como chumbo, mercúrio e até arsênio.

Ou seja, além do risco de engasgamento, asfixia e até obstrução intestinal, ao deixar seu cão morder e engolir os ossinhos, uma bomba química vai atingir o organismo do animal, o que pode causar consequências sérias a saúde do mesmo.

Couro sendo tingido

E não é apenas couro de vaca

De acordo com outro vídeo, publicado pela página do Dogueiros, existe uma investigação sendo feita pela ONG de proteção animal Humane Society International, com objetivo de averiguar se denúncias de que em Taiwan o couro de cães abatidos com crueldade estariam sendo usados para a produção do produto. Assustador!

O que devemos fazer?

Muitos sites recomendam escolher bem os ossinhos que você oferecerá para seu cão, checando as informações na embalagem, certificando-se que o produto não seja tóxico.

Mas esse cuidado ainda não anula a possibilidade do animal se engasgar com o brinquedo. No grupo do Facebook, Buldogue Francês – Brasil, já existem diversos relatos de cães que morreram engasgados com os ossinhos de couro.

O melhor neste caso é procurar outras opções para seu amigo peludo. Existem diversos brinquedos e alimentos próprios para seu cão roer que não prejudicam a saúde dele. Seu cãozinho agradece.

Veja abaixo o vídeo divulgado pela página Dogueiros:

Fonte(s): Whole Dog Jounal, This Dogs Lifes, Planet Paws, Tudo sobre Cachorros, Dogueiros - Facebook, Clube para Cachorros, Healthy Pets
Dario C L Barbosa
Fundador e editor do Almanaque SOS. Paulistano, formado em Comunicação Social, trocou os anos em redes de rádio e televisão pela internet em 2012. Vegetariano, meditante e ecossocialista na luta por consciência e equidade. ( Twitter - Instagram ).

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui