• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

O Brasil mudou quando a classe média começou a lavar cuecas

Uma reflexão sobre o que nos levou até aqui.

Já parou para pensar no que sustenta a classe média brasileira? O que garante que ela ocupe seu espaço no Brasil? Os produtores do canal Meteoro Brasil já.

Em um vídeo breve, porém esclarecedor, o canal – que trata de cultura pop, ciência, filosofia e política – aborda questões essenciais para entender como o preconceito social, o racismo estrutural e até o fascismo, nos colocaram aqui. E tudo isso se deve a uma coisa: a escravidão.

A começar pelos quartinhos de empregada que muitas construções (não necessariamente tão antigas) ainda preservam; por mais velada que fosse, a representação da senzala – um cantinho onde as empregadas descansavam, após trabalhar dia e noite (por salários baixíssimos, e sem hora extra).

Mas esse cenário mudou ao longo dos anos. Segundo levantamentos oficiais, entre 2002 e 2014:

  • A renda dos pobres subiu 129%; (1)
  • Houve aumento no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e no combate à pobreza; (2)
  • A desigualdade social no país diminuiu; (2)
  • A ANAC registrou aumento de 159% no número passageiros de avião no período; (3)
  • Brasil chegou a ser a 6ª maior economia do mundo; (2)

Consequentemente, em 2013, veio a aprovação da PEC das Domésticas, dando às profissionais os mesmos direitos dos demais trabalhadores urbanos e rurais. Com direito a hora extra ou aumento de salário, morar na residência dos patrões ficou inviável.

Marcos Santos/USP Imagens

Em 2014, após anos de combate aos privilégios escravocratas remanescentes, veio a crise econômica. Responsável por alterar a dinâmica social, que já estava abalada, de maneira profunda – afetando diretamente a classe média brasileira.

Quando essa estrutura foi atingida e a classe média diminuiu (estima-se que, em 2015, cerca de 1 milhão de famílias viu cair seu padrão de vida), fez com que essa parcela da sociedade, até então acostumada a ter suas casas (e vidas) organizadas pelas “domésticas”, dispensasse completamente esses serviços e tivesse que se virar sozinha – o que inclui lavar suas próprias cuecas.

Numa sociedade justa, cada um lavaria a sua [cueca]. Aí fora tem uma classe média que discorda de mim. Eles não querem cota, eles não querem preto na Universidade. Eles querem é cueca lavada“, reflete o ‘Homem mais simples’, autor do vídeo.

A analogia das cuecas lavadas, citada no vídeo do Meteoro Brasil, é uma ótima alegoria para entender porque, afinal, setores da classe média ficaram tão raivosos com tantas mudanças sociais, que vinham crescendo ano após ano, culminando em quartinhos vazios e montes de roupa suja no cesto.

Racismo Estrutural

Como a própria expressão diz, trata-se de uma estrutura que alicerça a sociedade como a conhecemos. A relação da classe média e da sociedade brasileira foi estruturada em cima da escravidão – durante séculos. Por isso, além de toda a questão citada, ainda existe o racismo.

Ainda que tente se camuflar, o racismo sempre dá suas caras. Um exemplo claro e recente mencionado no vídeo foi o caso do jovem negro humilhado por duas garotas enquanto fazia seu serviço limpando o chão de uma lanchonete: “limpa o chão, fudido“, foi uma das coisas que o rapaz ouviu.

E aí que entra em cena o rapper mineiro Djonga. A resposta que parte da sociedade deu ao que houve com trabalhador foi: Fogo nos racistas! A frase é parte do refrão de um rap de Djonga e é considerada por ele como “um grito eterno e histórico“.

Fascismo

Outro ponto mencionado como determinante na manutenção das hierarquias social e racial, que garantem que as cuecas da classe média sejam lavadas – por outras pessoas, logicamente – é o fascismo.

Para Djonga:

Fascismo é o modus operandi, uma forma de se agir politicamente”.

Exatamente o que diz o cientista político estadunidense Jason Stanley:

“Fascismo é uma técnica, um método para conquistar o poder”.

Setores da classe média, então, passaram a utilizar uma de suas técnicas: a vitimização.

  • É um absurdo ser obrigado a limpar a própria casa e lavar as próprias roupas.
  • Uma loucura, agora tem que pagar direitos trabalhistas às empregadas domésticas?
  • Não pode mais exigir que elas morem no quartinho dos fundos, como assim?

Segundo Stanley, outra técnica fascista muito utilizada é rebaixar o outro, dizendo que é naturalmente preguiçoso e que precisa a todo custo ser estimulado a trabalhar.

“A ideia aqui é a de que os opositores do fascismo são naturalmente preguiçosos e mamam no Estado. O fascismo sustenta a ideia de forçar seus opositores a trabalharem de graça, até que aprendam ética de trabalho”, afirma o cientista.

No fim das contas, o que nos coloca onde estamos é o incomodo em ver a estrutura social sendo alterada (ou ao menos balançada). É o incomodo de ver pobre tirando férias, viajando de avião, comprando carro e… bem, sendo feliz.

Djonga, em toda sua consciência social, dá a letra:

“Tem que conciliar trampo pesado, com estudo, com inclusive lazer – que nós merecemos. Todo mundo merece lazer, sacou? Tem que parar com essas coisas. Porque os cara pode ter ego, os cara pode viajar pra Europa,  fazer tudo e nós, não. Se nós tem lazer falam ‘porra, meu Deus do céu, tá querendo curtir a vida, aí é difícil, né'”.

 

Veja o vídeo completo:

Fonte(s): YouTube - Meteoro Brasil, BBC, Doméstica Legal, Portal de Revistas da USP
Daiane Oliveira
Redatora, feminista e mãe. Discute religião, política, sexo e hábitos sustentáveis. Não discute futebol porque não entende. Quem sabe um dia.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui