Novo estudo explica como as Drogas Psicodélicas fazem bem para a saúde mental
  • Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

Novo estudo explica como as Drogas Psicodélicas fazem bem para a saúde mental

A experiência pode mudar a maneira como enxergamos o mundo.

Redação - Almanaque SOS Publicado: 24/08/2017 12:49 | Atualizado: 26/09/2017 14:46

Há algum tempo publicamos um artigo sobre estudos científicos que apontavam alguns benefícios das drogas psicodélicas.

Nessa onda de abrir a mente para substâncias que podem ajudar a humanidade, pesquisadores da Austrália divulgaram como esses alucinógenos poderiam melhorar nossa saúde mental.

De acordo o estudo, feito pela Universidade de Adelaide, na Austrália, e publicado no site científico Neurocience of Consciousness, o uso das drogas psicodélicas como cogumelos, por exemplo, podem induzir um estado de consciência bastante benéfico, conhecido como “dissolução do Ego“.

Self e Ego, segundo a psicologia

Antes de entrar nos detalhes do experimento, precisamos falar sobre dois termos dos nossos aspectos psicológicos, o Self e o Ego. Ambos representam a maneira como nos identificamos como ser humano. Seja nossos gostos, experiências, maneiras de analisarmos as situações e etc. O Ego, que você com certeza já ouviu falar, está contido dentro do Self.

O Ego representa nosso centro decisório pautado nas aspirações puramente pessoais conduzindo-nos sempre pelo campo rasteiro dos interesses imediatos, ou seja, engloba apenas nosso lado superficial. Mas é assim que normalmente entendemos a vida.

O Self é mais amplo pois abrange também nosso inconsciente, ou seja, ele revela quem somos de forma genuína, independente de nosso querer e nossos conceitos já estabelecidos. Pode ser entendido como a manifestação de nosso Eu superior, que nos capacitará à conquista da transpessoalidade à integração de todos os nossos potenciais que ainda estão por se desenvolver.

A confusão mental: Quando o Ego ganha status de Self

A grande confusão que atrapalha nossa saúde mental diz respeito a exatamente esses dois termos. A nossa tendência é usar como base para nosso Self – aquilo que deveria ser genuíno e natural – as percepções captadas pelo Ego, por isso acabamos tendo como modelo de comportamento psíquico as características que podem ter sido influenciadas por superficialidades, como nossos quereres imediatos e até nossos conceitos pré-moldados.

Ao usarmos o Ego como base, o potencial real do Self simplesmente não existe, como resultado entendemos a vida de maneira limitada, não enxergamos novas perspectivas, ou seja, tudo acaba centrado no que o “Eu inferior” deseja.

Tchau, Ego!

De acordo com o estudo, as drogas psicodélicas tem esse poder de dissolver do Ego, ou seja, o efeito da substância transforma o modelo superficial de enxergar o mundo, ao mesmo tempo que limpa esses padrões que o Self absorveu, devolvendo as características genuínas da nossa persona.

O contato com esse inconsciente que os psicodélicos proporcionam, fortalece o Self com informações novas, perspectivas que antes nunca foram pensadas – pois estava sendo “comandado” pelo ego – começam a surgir.

Inclusive podemos ver um exemplo dessa teoria fazendo uma analogia com o livro “Alice no País das Maravilhas“, de 1865, onde após ser questionada pela Lagarta – “Quem és tu?” – Alice, que já não sabe quem realmente é (sua construção de Self está abalada), é aconselhada a comer um cogumelo.

Um lado fará você diminuir e outro fará você crescer” – diz a Lagarta, ilustrando bem a relação entre Ego e Self.

“Um lado fará você crescer e o outro lado fará você diminuir.”

E assim como a personagem de Lewis Carrol se deparou com um mundo totalmente novo e deixou de ser a menina que estava acostuma a ser, segundo os cientistas, essa dissolução do Ego e o fortalecimento do Self pode realmente mudar a maneira como uma pessoa se vê e encara a vida.

Nessa “viagem”, as barreiras do Ego vão por água abaixo, sua consciência fica livre para perceber o mundo com outros olhos.

Justamente para uma saúde mental aprimorada, a ciência está estudando os efeitos dessas substâncias psicodélicas. Nada que nossos ancestrais já não soubessem, é claro.

Tchau, Ego!

Vale dizer que para alcançar a dissolução do Ego, você não precisa necessariamente recorrer às drogas alucinógenas. Com exercícios de meditação, por exemplo, é possível alcançar os mesmos resultados (ou muito melhores).

O SOS não faz apologia ao uso de drogas, todas as substâncias dos estudos foram testadas em laboratório, com aval médico e do governo.

Fonte(s): Vice, Aeon, Radio Boa nova
Redação - Almanaque SOS
Sempre tem jeito. Acompanhe o SOS também pelo Facebook e Instagram .

Tá na rede!

Quero mais!

Veja mais artigos!

Em caso de chefe
clique aqui