• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Comes & Bebes

chevron_left
chevron_right

Não compre esse Azeite: 6 marcas foram proibidas pelo Ministério da Agricultura

Costanera; Évora; Olivais do Porto; Oliveiras do Conde; Quinta D’Oro; Quinta Lusitana.

  • A fábrica misturava diversos óleos e distribuía como azeite de oliva.

  • Em outra operação, já encontraram óleo de lamparina na mistura.

  • Especialista sugere desconfiar de produtos muito baratos.

Se você está pensando em ir ao supermercado nos próximos dias, é bom ficar de olho nas prateleiras de azeite: elas podem conter produtos fraudados e inadequados para o consumo.

É isso o que alertou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) na última sexta-feira (05). A medida que gerou proibição dos produtos de algumas marcas é fruto de uma operação realizada em maio deste ano pela Delegacia de Polícia de Guarulhos (Demacro – PC/SP), que descobriu a atividade de uma fábrica clandestina de azeites falsificados na cidade.

A fábrica, em atividade criminosa, realizava mistura de diversos óleos e distribuía como azeite de oliva (em outra operação já encontraram inclusive óleo de lamparina, portanto não utilize azeites proibidos nem para fritar – descarte em um ponto de coleta). Vale lembrar que o produto comercializado como azeite de oliva não pode conter misturas.

Segunda-feira (08) foi o último dia para que os supermercados e atacados no Brasil inteiro recolhessem todas as unidades de azeite das seguintes marcas:

  • Costanera;

  • Évora;

  • Olivais do Porto;

  • Oliveiras do Conde;

  • Quinta D’Oro;

  • Quinta Lusitana.

Os responsáveis pelas marcas são: Comercial Quinta da Serra Ltda, Mundial DistribuidoraRhaiza do Brasil Ltda.

Caso os comerciantes não respeitem a advertência do Ministério, podem ser responsabilizados criminalmente e multados em R$5 mil por ocorrência, acrescidos de 400% sobre o valor comercial dos azeites.

Glauco Bertoldo, diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (Dipov) do Mapa, destacou que a falsificação de azeite é, além de fraude ao consumidor, crime contra a saúde pública. Ele também mencionou que o produto é o segundo mais adulterado do mundo, perdendo apenas para o pescado.

É preciso desconfiar de azeites muito baratos. Bertoldo alerta que os produtos fraudados custam em média de R$7 a R$10, enquanto verdadeiros azeites de oliva custam a partir de R$17.

Segundo o Ministério, a fiscalização encontrou amostras de produtos fraudados em oito estados: Alagoas, Goiás, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

O G1 explicou como proceder caso tenha comprado algum azeite falso: “se o consumidor comprou um azeite que foi retirado de circulação pelo Ministério da Agricultura, ele pode pedir o reembolso diretamente para o estabelecimento onde fez a compra, apresentando nota fiscal e o produto sem violação.” Caso a loja ou mercado negue a restituição, o PROCON pode ser acionada para intermediar a devolução do dinheiro.

Fonte(s): Ministério da Agricultura
Daiane Oliveira
Redatora, feminista e mãe. Discute religião, política, sexo e hábitos sustentáveis. Não discute futebol porque não entende. Quem sabe um dia.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui