Colunas

Garotinha dá aula sobre como viver melhor (usando uma batata!)

14 de dezembro de 2015
Postado por Claussen Munhoz

Aquele momento quando a criançada dá um show de conhecimento. Foi isso que fez a menina Elise ao gravar um vídeo sobre seu trabalho de ciências, viralizando no Facebook.

Intitulado “My potato project – The importance of organics” (Meu projeto com batata – A importância dos orgânicos) mostra o que aconteceu na experiência sobre o tempo que uma batata-doce leva para germinar. O resultado disso impressiona, mas a melhor parte é a aula que a garotinha dá sobre os perigos da nossa alimentação.

Se liga no vídeo (legendado).

[embed_facebook link_video=”https://www.facebook.com/100008675506025/videos/1496655413966961/” titulo=”My Potato Project” link=”https://www.facebook.com/profile.php?id=100008675506025&fref=photo” autor=”Simene Linhares”]


O Projeto

A pequena Elise (não Alice como consta na legenda) tinha como missão acompanhar o tempo de germinação de uma batata-doce para um projeto de ciências de sua escola. Ela foi até uma mercearia, comprou o vegetal e colocou-o  em um copo com água para aguardar que ele brotasse.

mypotato_sossolteiros

O primeiro resultado

Para a surpresa da menina, 3 semanas se passaram e absolutamente nada aconteceu. Ela não desistiu e pegou outra batata doce e aguardou mais 3 semanas. Mas outra vez o tubérculo não germinou.

mypotato2_sossolteiros

Mas porque elas não brotaram?

Ao questionar o vendedor da mercearia sobre o motivo delas não terem brotado ele afirmou que “essas batatas nunca irão brotar. No Armazém jogamos um produto químico chamado Bud Nip, mas você pode tentar com essa batata-doce orgânica industrial.”

Um mês depois, finalmente o vegetal brotou algumas pequenas mudas.

mypotato3_sossolteiros

Mais uma tentativa…

Elise relata que fez um terceiro teste paralelamente, comprou outra batata-doce, mas dessa vez com produtores orgânicos locais.

A grande surpresa foi que em apenas uma semana o tubérculo não apenas havia germinado, como apresentava muito mais folhas que a orgânica produzida pela indústria.

mypotato4_sossolteiros

A descoberta de Elise

A garota decidiu então pesquisar sobre o que era o Bud Nip, aplicado nos vegetais e descobriu se tratar de um composto químico chamado de clorprofame. Essa substância funciona como um regulador de crescimento e anti-abrolhante (coíbe a a germinação) utilizado também em cenouras, cebola, espinafre, tomates e feijões.

mypotato5_sossolteiros

Mas e a gente com isso?

O problema essa é uma substância que impregna nos vegetais, portanto, não adianta lavá-los, não vai sair. O clorprofame, base do produto, matou todos os animais em que foi testado e comprovadamente causa câncer.

Elise confessa que não se sente surpresa que tantas pessoas tenham câncer com a quantidade de produtos químicos que são colocados nos alimentos.

Ao final, ela desafia: “que batata você prefere comer?”

MATÉRIAS RELACIONADAS