• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

Felipe Neto vira vegetariano mesmo perdendo contrato de 470 mil: ‘minhas convicções não estão à venda’

Um aliado importante para os vegetarianos e para o Planeta.

Há alguns dias, o mega influenciador Felipe Neto comentou em suas redes sociais que ficaria uma semana sem comer carne, mas que seu objetivo era “parar de vez”. Desde então, vem sendo assunto na internet, especialmente no Twitter.

Dia 29 de agosto, Felipe compartilhou que sua decisão de parar de comer carnes lhe rendeu a rescisão de um contrato de quase meio milhão de reais:

Além disso, o youtuber anunciou que a fechará a rede de coxinhas que abriu com seu irmão, Luccas Neto. Nas redes sociais rolam teorias de que todo esse alvoroço seria parte de uma estratégia para maquiar a possível falência da empresa, bem como a demissão de seus funcionários. Até o momento, isso não foi comprovado.

Questionado, inclusive pela chef de cozinha Paola Carosella, se não era possível manter o negócio e realizar alterações no cardápio, oferecendo produtos vegetarianos e veganos, Felipe respondeu, “Não é tão simples, há regras, sócios, board. Vou analisar a abertura de um NOVO negócio. É a única possibilidade.”

Felipe recebeu apoio de outras personalidades, como a apresentadora Maisa:

Após a grande repercussão do assunto

Felipe Neto postou um vídeo em seu canal, onde esclareceu que está buscando seguir uma dieta do tipo ovolactovegetariana, ou seja, um tipo de dieta vegetariana em que exclui o consumo de carnes, mas é permitido comer ovos, leite e derivados como alimentos de origem animal; além dos vegetais.

Também explica que ficou arrependido de coisas que já fez, como debochar de veganos, e continuar o consumo de carne por um longo tempo, mesmo sabendo das implicações ambientais disso.

O influenciador destacou também o que o motivou a tomar essa decisão – mesmo com prejuízos financeiros vindos da quebra de contrato:

“O fato de a gente estar vivendo essa tragédia ambiental no Brasil fez com que caísse a minha ficha de vez”.

Sobre a “tragédia ambiental” ele se referia especialmente à destruição que vem afetando a Amazônia, com destaque para as recentes e crescentes queimadas. Aqui no SOS já falamos sobre a forte relação que o desmatamento e as queimadas têm com o consumo de carne (leia tudo sobre isso qui).

Essa notícia é realmente importante?

Pode parecer que o fato de um influenciador parar de comer carne não significa nada, mas Felipe Neto é o quinto maior youtuber do mundo, conta com mais de 34 milhões de inscritos em seu canal, e mais de 9 milhões de seguidores no Twitter.

Para se ter uma ideia, o vídeo publicado sobre o assunto alcançou 1 milhão de visualizações em menos de 24 horas (até essa publicação estava em 950 mil). Ou seja: diariamente, milhões de pessoas acompanham seu conteúdo e, cada um à sua maneira, são influenciadas por seu estilo de vida; principalmente os jovens.

Inclusive o ativista Fábio Chaves, fundador do portal vegano Vista-se, que pontuava posicionamentos anti-veganismo do youtuber no passado, fez um vídeo explicando o quanto a adesão de pessoas influentes ao vegetarianismo e veganismo é importante.

Na ocasião do primeiro anúncio de Felipe Neto de que ficaria uma semana sem comer carne, vários seguidores o parabenizaram pela atitude e se disseram inspirados a começar uma mudança também.

Melhorar os hábitos alimentares para salvar o planeta

Não é novidade tratarmos desse assunto aqui no SOS. Em um artigo recente, explicamos como diminuir o consumo de carne vermelha pode contribuir com o meio ambiente – clique aqui e leia a matéria completa.

Também já mencionamos um importante relatório da ONU sobre como o ambiente é explorado para sustentar nossos hábitos de consumo: cerca de 75% de toda a água doce do planeta é destinada à pecuária e agricultura, por exemplo.

Em outro relatório também da ONU, um dado preocupante:

Se a população global atingir 9,6 bilhões em 2050, poderá ser necessário o equivalente a quase três planetas para fornecer os recursos naturais necessários para sustentar os estilos de vida atuais.

Por “estilos de vida atuais” a ONU se refere aos nossos hábitos de consumo de maneira geral, incluindo a forma como nos alimentamos.

Daiane Oliveira
Jornalista, feminista e mãe. Discute religião, política, sexo e hábitos sustentáveis. Não discute futebol porque não entende. Quem sabe um dia.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui