• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Crossfit Mental

chevron_left
chevron_right

Faça esse teste e sinta os efeitos da Sinestesia no seu cérebro

Você só precisa responder uma pergunta para sentir o fenômeno.

Uma música já te lembrou um determinado cheiro? Uma cor já te induziu a algum tipo de sabor? Esse cruzamento de sensações, como o gosto com cheiro, é conhecida como sinestesia.

Um experimento publicado nos anos 20 e reaplicado mais de 80 anos depois vem literalmente ilustrando esse “comportamento” curioso do nosso cérebro. Quer sentir?

Das duas imagens abaixo, qual delas se chama “Kiki” e qual se chama “Bouba”?

Qual é “Kiki” e qual é “Bouba”?

RESPOSTA ABAIXO.

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

Provavelmente você deve ter classificado a imagem da esquerda como “Bouba” e da direita como “Kiki”, certo?

Pode parecer um truque, mas esse fato interessante pode significar, de acordo com a ciência, o “elo perdido” da origem da linguagem humana.

O começo de tudo

O curioso experimento já havia sido aplicado em uma ilha da Espanha, onde o psicólogo alemão Wolfgang Kohler pediu aos habitantes que classificassem duas imagens semelhantes a essas apresentadas acima, como “Takete” ou “Baluba”.

O resultado dessa pesquisa, publicada em 1929, revelou que a grande maioria classificava a forma pontiaguda como “Takete” e a forma arredondada como “Baluba”. Porém, na época, a revelação foi vista pela comunidade científica apenas como de carácter curioso, sem grandes informações para a ciência.

Pois bem, 82 anos depois, os pesquisadores Edward Hubbard e Vilayanur S. Ramachandran, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos encontraram neste experimento uma maneira prática de estudar o fenômeno sinestésico nas pessoas.

Fazendo uma pequena modificação no nome, eles voltaram a pedir que classificassem as formas, agora como “Kiki” ou “Bouba”. 95% das pessoas acharam que a figura pontiaguda era a “Kiki” e a arredondada era “Bouba”.

Ou seja, apenas pela sensação que as formas lhes causavam, conseguiram nomear as figuras.

O nome das coisas

Com o resultado das pesquisas, a sociedade científica acabou entregando-se a curiosidade que envolve essas sensações sinestésicas e particularmente o caso “Kiki e Bouba”.

Alguns estudiosos se aprofundaram no fenômeno, tentando criar um paralelo entre o nome que damos às coisas, com o “som que sua forma emite”.

Por exemplo,  tanto “takete” quando “kiki” possuem o som das letras “K” e “T”, que são fortes e podem dar uma sensação ríspida, reta. Já “bouba” e “baluba” possuem a consoante “B” e as vogais “O” e “U” que deixam o som “arredondado”, como um onda.

Esse tipo de suposição, levantada pelos pesquisadores, os fez pensar que a origem real da linguagem humana tenha sido formada através desses tipos de sensações sinestésicas, o que significa, em um exemplo bem grosseiro, que o formato, a textura ou até o cheiro de uma pedra foi primordial para que ela recebesse esse nome.

“Kiki” e “Bouba” na nossa vida

Agora se você acha que esses efeitos de sinestesia só acontece em laboratórios, está enganado.

Um recente estudo feito por pesquisadores da Universidade de Londres e publicado no site científico Flavor Journal revelou que comidinhas servidas em pratos redondos dão a sensação de serem mais doces (bouba), as picantes ficam mais intensas se servidas em pratos ásperos e pontiagudos (kiki); já qualquer purê fica muito mais cremoso se apresentado em recipientes arredondados e suaves (bouba).

Outro exemplo da sinestesia na nossa vida real é o trabalho do chef inglês Heston Blumenthal, que usa em todas suas criações os efeitos da sinestesia, como o “Kiki” e a “Bouba” para intensificar os sabores de seus pratos.

“Temos todo um mundo por descobrir: se você escreve ‘vinho’ com uma letra pontiaguda e, depois, com uma arredondada e toma o mesmo vinho, você sente gostos distintos.” – disse o chef em entrevista à BBC.

– Você já teve alguma experiência com a sinestesia? Conta pra gente!

Fonte(s): Science Friday, Folha de S. Paulo, BBC
Redação - Almanaque SOS
Sempre tem jeito. Acompanhe o SOS também pelo Facebook, Instagram e Twitter

Tá na rede!

Quero mais!

Veja mais artigos!

Em caso de chefe
clique aqui