• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

Existem dois tipos de pessoas no mundo, o caralh*!

Que merda é essa que estamos lendo?

Quando penso em como cheguei maduro aos 22 anos, fico feliz por ter tomado — e estar tomando — tanta porrada da vida.

Especialmente depois de tentar me encaixar em tribos ou padrões que só me mostraram que NÃO DÁ PARA DIVIDIR PESSOAS EM APENAS DOIS TIPOS!

O assunto surgiu tão repentinamente quanto uma carta de Hogwarts: primeiro por sugestão do editor. Depois por ler o texto “All My Friends Are Getting Engaged And I’m Just Getting Drunk” no Elite Daily — que traduzido vira: “Todos os meus amigos estão comprometidos e eu estou ficando bêbado”.

Ashley Fern divide o mundo em dois tipos de pessoas: os casados, sem sexo & monótonos, e os solteiros, viciados em festas, amnésias alcoólicas & irresponsabilidade.

Depois de ler o texto, perguntei que merda era essa que eu tinha lido.

Até notar que é o tipo de merda que eu estava escrevendo — e, sem perceber, criando mais separações entre os “rótulos” sociais que precisam se juntar ou parar de usar o outro como comparação para saber quem está melhor ou pior.

O mundo realmente não é preto ou branco. Não tem 50% de um lado e 50% do outro. Os que escolhem concordar com um monte de itens numa lista para se sentirem menos sozinhos, mesmo sabendo que não se identificam de verdade, ignoram o que os torna tão fantásticos: a capacidade de iniciar um diálogo com novos pontos de vista!

A real é que textos e ilustrações desse tipo tentam convencer certos grupos de pessoas que sua maneira de viver é a mais certa e incrível para que eles se sintam bem COM ELES MESMOS — quando QUALQUER maneira de viver que traga conforto A QUEM VIVE é a maneira mais certa de existir.

O mundo é cheio de tons mais coloridos que os monocromáticos ou maniqueístas, e se a maneira de cortar um sanduíche te separa de 50% do mundo, aposto que outros desejos em comum — como se manter cercado de pessoas interessantes e únicas — os unirá com ainda mais potência.

Legal mesmo é ser um pouquinho de cada coisa, porque esse é o único tipo que todos nós somos.

 

Enrique Coimbra
"Sem H" mesmo. Escreveu os livros "Sobre um garoto que beija garotos", "Um Gay Suicida em Shangri-la" e "Os Hereges de Santa Cruz". Também grava vídeos para o canal "enriquesemh" do YouTube, é capista, e criou o site Discípulos de Peter Pan , sobre comportamento e bem-estar!

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui