• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Setor Bugiganga

Criaram um aplicativo colaborativo para mulheres andarem com mais segurança nas ruas

Ele avisa até 3 amigos se algo diferente acontecer no trajeto.

Só no último mês, quantos casos de abuso às mulheres você ouviu falar ou até mesmo sofreu? Se são “tempos difíceis para os sonhadores”, para as mulheres é ainda pior.

E foi pensando nessa triste realidade que a Priscila Gama, arquiteta e urbanista de Minas Gerais, idealizou o Malalai, um novo recurso para trazer um pouco mais de segurança à vida das mulheres.

Veja o vídeo publicado pelo canal da Associação Praças – Paraná, onde a própria Priscila explica o projeto:

O Malalai funciona através de um app e de um dispositivo (que elas chamam de relicario), com o objetivo de compartilhar o seu trajeto em tempo real com alguns de seus contatos. Basta baixar o aplicativo e inserir o seu percurso. Feito isso, você pode enviar uma permissão, via SMS, para até 3 de seus contatos acompanharem sua trajetória.

Caso o caminho se altere em relação ao que você tinha passado ou o tempo de viagem se prolongue demasiadamente, o pedido de socorro é enviado automaticamente para as pessoas que você escolheu previamente.

No app, também rola uma ajuda colaborativa, assim como acontece no Waze quando motoristas avisam de acidentes e radares. As mulheres podem praticar sororidade (ajudar uma as outras), alertando detalhes do trajeto como “rua com comercio aberto”, “mulheres já relataram abuso nessa região”, etc.

Já o relicario, que pode ser usado como colar, anel ou broche, tem um botão que envia o pedido de socorro aos contatos sem que a vítima precise usar o celular.

Relicario Malalai

O app está em fase de teste e já pode ser baixado gratuitamente para celulares Android.

O relicario ainda não está disponível, mas para ter mais informações sobre ele, basta acessar o site e cadastrar seu e-mail para receber as novidades, clicando aqui.

Fonte(s): G1, Minas Inova
Redação - Almanaque SOS
Desvendando o dia a dia. Acompanhe o SOS também pelo Facebook, Instagram e Twitter

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui