• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato

Sinta-se Bem

Coronavírus: Ibuprofeno e Corticoides devem ser evitados? Cientistas explicam

O tratamento da febre deve ser realizado com dipirona ou paracetamol.

Dario C L Barbosa Publicado: 16/03/2020 15:24 | Atualizado: 17/03/2020 14:34
  • Os remédios citados na chamada desse artigo devem ser evitados, mas com cautela, principalmente o corticoide no caso de asmásticos.

  • Em caso de febre, aposte no paracetamol como primeira alternativa. Dipirona também funciona.

  • Antes de interromper um tratamento, consulte o seu médico. Sempre.

  • Porta-voz da OMS também recomendou evitar o uso de ibuprofeno.

 

Atualização [17/03/2020]

Segundo agência de notícias francesa AFP, o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, disse a repórteres em Genebra que os especialistas da agência de saúde da ONU estavam “estudando o assunto para dar mais orientações”.

“Enquanto isso, recomendamos o uso de paracetamol e não usamos o ibuprofeno como automedicação. Isso é importante”, disse ele. Lindmeier ressaltou, porém, que se o ibuprofeno foi “prescrito pelos profissionais de saúde, é claro que isso depende deles”.

 

O texto a seguir foi produzido pelo jornalista e farmacêutico Fábio Reis, para o veículo especializado PFARMA.

Atenção: o artigo contém informações técnicas destinadas aos profissionais da saúde. Em caso de dúvida sobre medicamentos procure o farmacêutico ou converse com o seu médico. 

Um artigo publicado pela revista científica The Lancet, divulgado no dia 11 de março, revelou que três estudos feitos em doentes infectados com o novo coronavírus evidenciaram que a classe de anti-inflamatórios não esteroides (conhecidos como AINE’s) aumenta a expressão de enzimas conversoras de angiotensina 2 (ACE2), receptores que existem em células epiteliais dos pulmões, intestinos, rins e vasos sanguíneos, e aos quais o SARS-CoV-2 se liga para infectar o organismo humano.

Matéria publicada pela revista científica The Lancet

Outro fato apresentado pelos autores do artigo é que o uso de medicamentos da classe AINE, como iboprufeno, e medicamentos à base de cortisona podem afetar a capacidade de reação do sistema imunitário, responsável por combater o vírus do coronavírus.

De acordo com os mesmos estudos, a gravidade da infeção também pode ser influenciada pelo uso de substâncias ou a ingestão de medicamentos para combater a diabetes mellitus tipo 2, cuja substância ativa são as tiazolidinedionas (TZD’s), que também aumentam a expressão dos receptores ACE2 e facilitam a infecção pelo novo coronavírus no organismo humano.

Os investigadores responsáveis pelos estudos apontam ainda que, caso a influência do ACE2 seja confirmada, será gerado um conflito devido à influência que os medicamentos possuem nos tratamentos para reduzir inflamação e em terapias para curar doenças respiratórias, câncer, diabetes e hipertensão.

A possível relação entre o uso do Ibuprofeno e a piora dos quadros de infeções por coronavírus será avaliada na União Europeia através Comitê de Avaliação de Risco de Farmacovigilância da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

É esperado que a análise, que deverá ser concluída em maio de 2020, permita esclarecer se existe uma associação entre o uso de ibuprofeno e a piora das infeções por Coronavírus COVID-19. A OMS ainda não se pronunciou sobre o tema.

 

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) publicou uma nota de esclarecimento no dia 13 de março com a seguinte orientação:

“Em vistas ao conhecimento do envolvimento da enzima conversora de angiotensina 2 (ECA-2) na fisiopatologia da infecção pelo coronavírus, especula-se que a modulação dessa via poderia ser uma alternativa a ser explorada no manejo desses pacientes.

A utilização de fármacos como os inibidores de enzima conversora de angiotensina (iECA) e os bloqueadores de receptores de angiotensina (BRA), assim como o uso de tiazolidinodionas e de ibuprofeno resultam em elevação dos níveis da ECA-2.

Os dados disponíveis até o momento alertam que os pacientes infectados com o novo coronavírus que tenham diabetes ou hipertensão ou insuficiência cardíaca e estejam em uso de iECA ou BRA devam ser acompanhados adequadamente.

Em não havendo evidências definitivas a respeito da associação entre o uso desses fármacos e maior risco da doença, a SBC recomenda a avaliação individualizada do paciente em relação ao risco cardiovascular da suspensão dos fármacos versus o risco potencial de complicações da doença.”

Para ler o informativo completo clique aqui.

 

Os tratamentos com medicamentos à base de corticoides devem ser abandonados?

As recomendações dos pneumologistas da Associação Francesa de Asma & Alergias é que a população em geral deve evitar esse tipo de tratamento, mas negam que os medicamentos à base de cortisona devam ser evitados para reduzir o risco de uma infecção grave por coronavírus “no caso de pacientes asmáticos, isso deve ser relativizado”.

“O controle adequado dos sintomas limita os riscos de um ataque inflamatório de asma em caso de infecção viral”, explicam os especialistas “é muito importante não interromper o tratamento da asma”.

No entanto, “o controle adequado dos sintomas limita os riscos de um ataque inflamatório de asma em caso de infecção viral”, explicam os especialistas.

Por esse motivo, “é muito importante não interromper o tratamento da asma”.

 

Ministério da Saúde da França desaconselha o uso de ibuprofeno e cortisona em pacientes infectados com Coronavírus COVID-19

Reprodução

Aviso foi feito pelo ministro da Saúde francês, mas a OMS ainda não se pronunciou sobre o tema.

O ministro da Saúde francês, médico neurologista Olivier Véran, usou suas redes para orientar que quem suspeitasse estar infectado com o novo coronavírus para não tomar anti-inflamatórios como o ibuprofeno, dando preferência ao paracetamol para tratamentos dos sintomas.

Ele repetia assim as recomendações do Diretor-Geral de Saúde da Francês, Jérôme Salomon, que desaconselha o uso destes medicamentos para o coronavírus.

Segundo o ministro francês, vários médicos mencionaram casos de pacientes jovens infectados pelo COVID-19, sem outras patologias conhecidas, que se encontraram em estado grave depois de tomar ibuprofeno para baixar a febre provocada pelo novo coronavírus.

 

Posicionamento das entidades europeias

Autoridades do Governo da Espanha e de Portugal afirmaram que é errada a orientação do Ministério da Saúde da França.

Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos Sanitário (AEMPS) admitiu que o Comitê de Avaliação de Risco de Farmacovigilância está revendo a suposta relação entre o ibuprofeno e a piora da infecção: “Espera-se que esta análise em nível europeu seja concluída, de acordo com a nota do Ministério da Saúde da Espanha em maio de 2020, mas com as informações disponíveis hoje em dia, é complexo determinar se essa associação existe”.

A Infarmed, Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde de Portugal, publicou uma nota no qual esclarece que não existem, atualmente, dados científicos que confirmem um possível agravamento da infeção por COVID-19 com a administração de ibuprofeno ou outros anti-inflamatórios não esteroides.

A agência orientou que o tratamento sintomático da febre deve ser realizado através do uso de paracetamol como primeira alternativa. No entanto, também não há evidências para contraindicar o uso de ibuprofeno.

O Conselho de Hipertensão da Sociedade Europeia de Cardiologia que apresenta a seguinte orientação: “O Conselho recomenda fortemente que médicos e pacientes continuem o tratamento com a terapia anti-hipertensiva habitual, porque não há evidências clínicas ou científicas que sugiram que o tratamento com ACE ou ARB [fármacos anti-hipertensivos] seja interrompido por causa da infeção por COVID-19”.

 

Sobre o Ibuprofeno

O Ibuprofeno é um anti- inflamatório não-esteroide, derivado do ácido propiônico . Ele tem atividade anti- inflamatória, analgésica e antitérmica. Ajuda no controle da febre e tem utilidade no tratamento de dores leves e moderadas.Ele atua reduzindo a síntese de prostaglandinas pela inibição das enzimas ciclo-oxigenases (COX-1 e COX-2).

Encontra-se disponível sob diversas denominações comerciais, incluindo Advil, Motrin e Nurofen.

 

Sobre o Cortisona

A cortisona, também conhecida por corticosteroide, é um hormônio produzido pelas glândulas supra-renais, que exerce ação anti-inflamatória, sendo, por isso, muito utilizada no tratamento de problemas crônicos como asma, alergias, artrite reumatoide, lúpus, casos de transplante de rim ou problemas dermatológicos, por exemplo.

 

Sobre os medicamentos IECA e ARA II

Os medicamentos anti-hipertensivos das classes dos inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA) e os antagonistas do receptor da angiotensina II (ARA II) estão entre os mais utilizados para o tratamento da hipertensão arterial.

Os IECA e os ARA II são classes diferentes de drogas, porém com mecanismo de ação na redução da pressão arterial semelhante.

Tanto os IECA quanto os ARA II têm como objetivo impedir a ação de um hormônio chamado angiotensina II. Os IECA impedem a sua formação, enquanto os ARA II impedem o seu funcionamento.

 

Sobre os medicamentos Tiazolidinedionas

As tiazolidinedionas (TZDs), também conhecidas como glitazonas, são uma classe de fármacos usados no tratamento de diabetes mellitus tipo 2 e outras enfermidades relacionadas. As tiazolidinedionas melhoram a sensibilidade dos tecidos brancos à insulina por atuar como agonistas seletivos de receptores da insulina localizados no núcleo celular. Os exemplos de fármacos mais utilizados dessa classe são pioglitazona, rosiglitazona, troglitazona e ciglitazona.”

 

*O artigo acima foi reproduzido na íntegra.

 

A dipirona também funciona

Segundo Marcos Lago, coordenador da Comissão de Infecção Hospitalar do Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), disse ao UOL“a recomendação é usar dipirona e paracetamol para febre, não interferindo no processo inflamatório.” O professor da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o infectologista Dimilson Migowski concorda: “com a suspeita em relação ao ibuprofeno, eu indicaria opções que parecem dar maior segurança. É o caso do paracetamol e da dipirona.”

Fonte(s): Pfarma, Strait Times
Dario C L Barbosa
Fundador e editor do Almanaque SOS. Paulistano, formado em Comunicação Social, trocou os anos em redes de rádio e televisão pela internet em 2012. Vegetariano, meditante e ecossocialista na luta por consciência e equidade. ( Twitter - Instagram ).

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui