• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Sinta-se Bem

As técnicas de cura que a indústria farmacêutica não quer que você conheça

Experimentos comprovam o poder da nossa mente.

Todo adulto da sociedade ocidental tem em sua humilde residência a famosa farmacinha, aquela caixinha repleta de remédios – que para alguns é praticamente a razão de viver.

Mas e se a gente falar que essa fascinação por pílulas milagrosas é muito mais uma questão cultural do que funcional? Diversos estudos e experimentos estão comprovando que existem alternativas naturais muito mais poderosas.

De acordo com Dr. Herbert Benson, cientista do Instituto Benson-Henry de Medicina da Mente e Corpo em Boston, Estados Unidos, em entrevista para o documentário “Mysteries of the Subconscious” (Os mistérios do subconsciente), é possível usarmos o poder do subconsciente para expandir a mente e curar o corpo de diversas enfermidades.

O especialista diz que isso só é possível pois boa parte das doenças que nos afligem são muito mais mentais do que físicas.

O Poder do Frio

Para tal constatação, Benson dedicou-se por anos à pesquisar os poderes da mente e foi quando entrou em contato com uma técnica de meditação chamada Tummo, que as peças começaram a se encaixar.

A meditação Tummo é uma prática do budismo tibetano, consiste em trabalhar nosso fogo interior – literalmente. Nas montanhas geladas, os monges se cobrem com um lençol banhado em água bem fria, através da meditação e de exercícios de respiração conseguem elevar a temperatura do corpo, evitando ser acometidos pela sensação de frio extremo que qualquer pessoa “normal” sentiria nessa situação.

De acordo com a tradição, esse ritual é feito com o objetivo de eliminar os pensamentos negativos de mente. Porém, o efeito provocado por esta prática não fica por aí.

Monges dos Himalaias praticando Tummo

Conforme falamos neste artigo, a meditação tummo, também usada pelo recordista mundial em aguentar baixas temperaturas, Wim Hof, além de elevar a temperatura corporal, potencializa nosso sistema imunológico, que tem papel fundamental no tratamento de diversas doenças.

Segundo este estudo, publicado na revista científica Proceedings of the National Academy os Sciences of the United States of America, além de todos os benefícios que as técnicas de meditação/respiração podem trazer à nossa saúde, a exposição ao frio acaba por “preparar” nosso organismo para o pior, deixando-o sempre “ligado” para combater novas bactérias.

O frio também aumenta os níveis de cortisol no organismo, fazendo com que as células fiquem menos reativas à infecções e inflamações – que são o ponto inicial para o desenvolvimento de muitos males.

Um caso que ganhou certa notoriedade foi a trajetória do alemão Hans Spaans, após ser diagnosticado com Mal de Parkinson e enfrentar terríveis dores de câimbra por todo o corpo, conseguiu reverter a doença utilizando o método de Wim Hof, que tem como uma de suas bases a meditação tummo.

De acordo com este estudo, publicado na revista científica NCBI, quando o Mal de Parkinson se desenvolve, há uma perda de neurônios da noradrenalina no cérebro, um dos neurotransmissores responsáveis que mais influenciam o humor, ansiedade, sono e alimentação. Ela tem efeitos substanciais sobre nossa capacidade de foco, atenção, vigilância e há indícios de que sua falta está relacionada também com a depressão.

Provavelmente a explicação para a cura de Spaans se deve ao fato de que essa substância é liberada com fartura no organismo quando somos expostos ao frio.

Wim Hof mergulhado nas águas congelantes de um lago.

Segundo o estudo, as pessoas que se submetem a banhos congelantes, como é o caso de Wim Hof, conseguem aumentar essa substância no organismo em até 530%, além de causar o aumento de dopamina em 250%, substância que possui um papel importante no funcionamento do nosso cérebro como o controle de movimentos, aprendizado, humor, emoções, cognição e memória.

Ou seja, ao aliar a meditação com o método tummo, foi possível influenciar o organismo de tal maneira que os males acabaram sendo exterminados.

Vendo toda essa influência que nossa mente pode causar em nosso organismo, Benson focou seus estudos para tentar descobrir se era possível influenciar de maneira similar, o nosso cérebro para combater um dos maiores males da atualidade, o estresse epidêmico.

Mente vs. Estresse

Para o especialista, o estresse nada mais é que uma reação instintiva de lutar ou fugir, sensação que acaba liberando um fluxo de hormônios que tem como efeito secundário a inflamação nas células.

De acordo com Benson, se as células ficarem inflamadas por muito tempo, ou seja, você ficar estressadinho com frequência, uma série de problemas podem aparecer, como as doenças cardíacas, artrites e doença de Crohn.

Como resultado de suas pesquisas, Hebert desenvolveu uma terapia de dois meses que, segundo ele, é capaz de combater o estresse, sendo praticada diariamente por 15 minutos.

O Poder da Mente

A técnica, que recebeu o nome de “Reação de Relaxamento“, consiste em apoiar-se em uma palavra para afastar os sintomas do estresse e consequentemente eliminar a possibilidade do desenvolvimento de muitas outras doenças que o acompanham.

  • Sente-se em um lugar confortável e tente relaxar o máximo possível. Feche seus olhos.

  • Uma série de pensamentos começaram a surgir em sua cabeça, não lute contra eles, nem os questione. Não interaja com as coisinhas que brotaram em sua cachola.

  • Como resposta a isso, tudo o que você deve fazer é esboçar um “tudo bem” mentalmente e deixar esse pensamento de esvaecer em sua mente, mentalizando a palavra “paz”.

A voluntária que experimentou a terapia afirma que sentiu-se mais leve, tranquila, com a sensação de que nenhum pensamento fosse capaz de aborrece-la.

O mesmo experimento foi feito com outros voluntários, ao analisar o sangue dos indivíduos após dois meses de prática, notou-se que houve um aumento significativo nos genes que controlam os processos inflamatórios e imunológicos do corpo.

Segundo as pesquisas do cientista (alguns estão disponíveis aqui), fica comprovado que é possível usar o poder do subconsciente para produzir benefícios concretos à saúde.

“Agora temos um método cientifico comprovado, que se estende ao nível genômico. Seria muito fácil incorporá-lo em nossa sociedade, não tanto devido a ciência, mas por ser um método mais barato. Mais barato que remédios e obviamente mais barato que cirurgias.” – declarou Dr. Benson durante a entrevista.

Além dessa técnica, Wim Hof também ensinou uma meditação poderosa para potencializar a resistência do corpo de maneira surpreendente, apenas usando o poder da mente e da respiração, ensinamos o passo a passo aqui.

O Poder do Calor

Como vimos, se a exposição ao frio pode trazer esses benéficos ao nosso organismo, a exposição ao calor não fica atrás.

De acordo com a Dra. Rhonda Perciavalle Patrick, médica Ph.D. em ciência biomédica do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Tennessee, Estados Unidos, fazer a famosa sauna trás diversos benefícios para nossa saúde.

Segundo este estudo desenvolvido pela especialista, quando somos expostos há um intenso calor, como acontece quando frequentamos a sauna, é liberado em nosso organismo uma substância chamada dinorfina.

Ao contrario da endorfina, um dos “hormônios do prazer”, a dinorfina nos causa uma sensação de desconforto pois, quando liberada em excesso, influencia de forma negativa os receptores da endorfina, que acabam não sendo assimiladas pelo organismo.

Isso pode parecer algo ruim, porém, segundo a pesquisa, após passar por isso, quando o organismo voltar a fazer a liberação de endorfina, seus efeitos benéficos serão muito mais poderosos que eram antes de passar por todo aquele desconforto.

Ou seja, após uma exposição à altas temperaturas, toda a sensação de prazer, bem estar e felicidade que a endorfina causa quando abraçamos alguém, vemos um filme, comemos um chocolate, etc., fica ainda mais forte.

Conforme conta Dra. Patrick durante a palestra, foi através de alguns banhos de sauna semanais, que ela conseguiu vencer o estresse e a ansiedade que a acometiam em certa fase de sua vida.

Na pratica, a especialista constatou que 5 banhos de sauna por semana eram capazes de melhorar seu humor, diminuir sua ansiedade e aumentar sua capacidade de lidar com o estresse.

O Poder do Bem Estar

Embora os banhos quentes nos ajudem a lidar com esses problemas de saúde, ele não se mostra tão efetivo quanto o banho frio, que tem a capacidade de diminuir a inflamação das células – o botão “start” para várias doenças como diabetes, problemas de intestino, parkinson, ansiedade, alzheimer, etc.

De acordo com o canal What I’ve Learned, se não curte o banho frio, existem outras maneiras práticas para diminuir a inflação de nossas células como dormir bem, manter o peso saudável, diminuir o consumo de açúcar, carboidratos processados, óleos vegetais, gordura trans e adoçantes artificiais.

O Jogo da Vida e a Proporção 3:1

Como mais uma prova de que é possível nos curar sem precisar de remédios, temos o caso da designer de jogos estadunidense Jane McGonial.

Após sofrer um acidente que a deixou com, além de muitas dores, naúseas constantes, pensamentos depressivos e quase impossibilitada de viver sua vida normalmente, McGonial criou um jogo mental que funcionava como um estímulo para ela voltar a encarar a vida, superando as sequelas que ficaram após o acidente.

De acordo com uma de suas palestras, a designer explica que seu jogo não fez de fato as dores irem embora, mas acabou com seus pensamentos depressivos e fez com que ela conseguisse voltar a viver. Veja o passo a passo aqui.

Jane McGonial

Além do jogo, a designer ainda compartilhou uma outra dica valiosa, que segundo ela é um segredo da literatura científica, chamada “Proporção 3:1 da Emoção Positiva“.

Se conseguir experimentar 3 emoções positivas para cada emoção negativa que sente no decorrer de uma hora, um dia ou uma semana, aumentamos consideravelmente nossa saúde e habilidade de enfrentar com sucesso qualquer problema que estivermos passando.

Quando formos acometidos por algo ruim, seja uma pensamento depressivo, um desânimo, ou qualquer sensação desagradável, devemos nos desafiar em mentalizar três sensações boas. Sentiu-se triste? Ok. Agora pense em três coisas felizes.

De acordo com McGonial, estas são as mudanças que poderemos alcançar em nossa vida, apenas sabendo como lidar com nossa mente.

Claro que não estamos sugerindo aqui para que abandone sua medicação ou seu tratamento convencional para os problemas que está enfrentando.

Mas fique ciente que o poder da nossa mente ou da natureza são reais. É possível que encontremos respostas mais efetivas se olharmos para dentro ou ao nosso redor, soluções estas que a indústria farmacêutica provavelmente não vai vender para você.

Fonte(s): Marjory Colavito - Facebook, What I've Lerned -Youtube, TED - Youtube, Ecletic - Youtube, Psicoativo
Redação - Almanaque SOS
Sempre tem jeito. Acompanhe o SOS também pelo Facebook, Instagram e Twitter

Tá na rede!

Quero mais!

Veja mais artigos!

Em caso de chefe
clique aqui