• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato

Faz Tudo

chevron_left
chevron_right

Como fazer pingente com embalagens plásticas que iam pro lixo

Para a técnica funcionar, é importante utilizar o plástico de número 6.

Bruno Oliveira Publicado: 09/11/2022 09:33 | Atualizado: 09/11/2022 09:42

O site O Sagaz publicou um artigo ensinando como fazer um pingente caseiro que nos deixou, digamos, de coração quentinho. De acordo com o artigo, você pode transformar um simples pedaço de plástico que iria pro lixo em uma verdadeira obra de arte divertida.

Como grandes entusiastas de gambiarras artesanais, a gente não poderia deixar essa ideia passar batida, por isso Vâmo Testá!

 

Como fazer um pingente com embalagens plásticas

Os materiais que utilizamos durante a experiência foram os seguintes:

  • Embalagem plástica (tipo 6)*

  • Canetinha permanente

  • Perfurador de papel

  • 1 folha de Papel Manteiga (própria para forno)

*Já adiantamos que a técnica não funciona com qualquer tipo de plástico, apenas com o do tipo 6, ou poliestireno (PS). Esse tipo de material é usado em embalagens de plástico mais flexíveis como as de manteiga, sorvete, caixas de ovos e em alguns modelos de copo. Você deve encontrar esse material em lojas de embalagens, de artigos festivos, supermercados entre outros lugares.

 

Passo a Passo

Para demonstração, em nosso teste, usamos os plásticos do tipo 1, 5 e 6. Recortamos previamente a área que queríamos trabalhar e nosso editor mandou ver no desenho livre!

Dicas: caso você não tenha as mesmas habilidades artísticas do Dario, sugerimos que use uma imagem como base e vá decalcando por cima do plástico com a canetinha. Além disso, o plástico deve encolher uns 2 cm antes do pingente ficar pronto, por isso sugerimos que faça um desenho um pouco maior do que o que você deseja no final.

 

Aproveitamos e também fizemos os desenhos nos outros tipos de plástico que nós preparamos.

 

Na sequência, é hora de fazer um furinho em cada peça. Esse furinho será útil para pendurar o seu pingente onde você desejar quando ele estiver pronto. O ideal é que o furo seja feito próximo, mas sem “invadir” o desenho.

Mesmo assim, caso você erre o furo, não se preocupe que vai dar tudo certo.

 

Feito isso, forre a folha de papel manteiga em uma assadeira, ou outro apoio que possa ir ao forno, e deixe “assar” a 165ºC por aproximadamente 3 minutos.

 

Olha lá eles diminuindo de tamanho, que lindinhos.

 

Quando as peças saírem do forno, elas estarão prontinhas para serem usadas como decoração do que você quiser.

 

Na imagem acima, repare que os pingentes feitos com plástico 5 e 1 não ficaram tão bonitinhos quanto o feito com plástico número 6.

 

Resultado: fazer pingente de plástico no forno funciona?

Resposta rápida: sim, contanto que esteja usando o tipo e plástico correto.

Como pôde observar, as experiências com os plásticos tipo 1 (PET) e tipo 5 (PP) não deram muito certo. Eles até encolhem um pouco, mas entortam demais e o resultado não traz uma estética maneira.

Sendo assim, reforçamos que a técnica funciona muito bem se você usar o plástico do tipo 6, poliestireno ou PS.

 

Por que o pingente só funciona com plástico do tipo 6?

A técnica funciona com esse tipo de plástico pois ele apresenta o grau de termorresistência ideal para que, mesmo quando exposto ao calor do forno, ele não perca a forma como os demais. Em outras palavras, entorte.

Dessa maneira, o fato dos outros tipos de plástico não serem ideais para o uso desse método, é por apresentarem reações diferentes ao calor, ou seja, enquanto alguns resistem mais, outros derretem por completo; enquanto uns são mais maleáveis, outros ficam rígidos demais.

 

Quais são as principais diferenças entre os números dos plásticos

Os diferentes tipos de plástico foram surgindo com o tempo de acordo com a evolução de toda tecnologia envolvendo sua matéria prima, com a necessidade prática que ele agrega, além de, claro, para atender à oferta de produção capitalista. Não necessariamente nessa ordem.

Entretanto, se quisermos simplificar, basta dizer que os tipos de plástico se diferenciam principalmente pelo seu grau de resistência a impactos e a altas temperaturas, pela sua transparência e flexibilidade e também pelo custo de reciclagem.

Em poucas palavras, quanto menor o número, mais fácil é para o plástico ser reciclado. Além disso, os números também servem para evitar que diferentes tipos de polímeros incompatíveis sejam misturados, prejudicando o processo de reciclagem.

Ademais, vale dizer que você não deve, de maneira alguma, aquecer o plástico junto a alimentos, pois quando aquecidos, alguns tipos de plástico podem liberar uma toxina nociva à saúde.

 

O que a galera achou desta dica

Alguns seguidores do Almanaque SOS nos contaram o que eles acharam desse truque divertido:

“Amei a dica! Vou fazer pingentes pra por na árvore de Natal deste ano.”, sugere Milena Sanches em nosso Instagram.

“Também existe esse material próprio para impressão ou desenho feito a mão, mas é muito olho da cara 😂”, explica Fran dos Santos em nosso TikTok.

“Fiz no dia das mães para meus alunos. Dá certo no pote certo. Tem que ser o 6.”, reforça Stella Boemer em nossa página no Facebook.

“O nome do plástico é “acetato”, pra ficar mais fácil pra quem for comprar. Na Kalunga vende ele em folhas, caso alguém se interesse.”, recomenda Raya em nosso canal no Youtube.

 

O que aprendemos com esta dica

  • É possível fazer pingentes com embalagens que iriam pro lixo;
  • A técnica só funciona com plástico do tipo 6, ou poliestireno (PS);
  • Você não deve aquecer o plástico junto com alimentos.

Fonte(s): Dinâmica Ambiental, eCycle, TUNES AMBIENTAL, Mais Polímeros, Bello Copo, eureciclo
Bruno Oliveira
Atleta virtual, jornalista, podcaster e gamer de esquerda nas horas vagas. Acredita piamente na capacidade do ser humano de ser melhor, sempre. Dog person e pernambucano, observa o mundo em camadas.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui