• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

Como alcançar os grandes objetivos sem morrer na praia #Comportamento

Não é fácil entrar pra vida adulta, morar sozinho e ter que escolher jantar na padaria ou iogurte – que venceu ontem, mas tudo bem.

 

Rico_Texto1-Como-alcançar-os-grandes-objetivos-sem-morrer-na-praia_SissyEiko

 

Pedro era jovem, queria ser um homem de sucesso e também aproveitar a vida. Planejava sua carreira profissional, se dedicava razoavelmente aos estudos, procurava se relacionar com pessoas que podiam lhe oferecer oportunidades boas no futuro. Também saia com os amigos para se divertir, às vezes dava uma exagerada e “no final de semana eu descanso!”. Mas Pedro sempre se atropelava, não é fácil entrar pra vida adulta, morar sozinho e ter que escolher no jantar entre a padaria da esquina ou a granola com iogurte – que venceu ontem, mas tudo bem.

 

A gente aprende um monte de coisas na escola, revê tudo no cursinho, se profissionaliza na faculdade, estuda umas coisas bem loucas no final de cada semestre e descobre que nada disso responde sequer onde deixamos a chave de casa. Fica craque em dar resposta pra cliente, fazer planilha quando Excel era tudo o que você achava que não usaria quando escolheu estudar Direito. Geralmente dedicamos a maior parte do nosso tempo no estudo e no trabalho, seja esse o sonho de nossas vidas ou o meio mais conveniente de realizarmos nossos desejos materiais. O tempo que nos sobra, aproveitamos mal tamanha a ansiedade por “fazer valer a pena”.

 

Foi assim que as pequenas necessidades acabaram sendo ofuscadas pelo brilho intenso da grande carreira profissional imaginada por Pedro. Ele acabou se alimentando mal, dormindo mal, perdendo dinheiro por besteira, se estressando. Desse jeito o sucesso ficava cada vez mais longe. Foi então que Pedro aprendeu que, para se atingir um grande objetivo, além da necessidade principal existem outras bem menores e para elas é preciso traçar pequenos objetivos – e que esses não são tão difíceis.

 

Aprender a se alimentar é algo que se faz com 3 meses de acompanhamento de nutricionista (deixa eu terminar!) – e se você pedir um cardápio fácil de preparar, vai ver que cozinhar em casa é simples, rápido e barato – tão barato que no final do mês você nem vai perceber que teve que pagar a consulta. Se exercitar é algo que pode ser feito com 3 horas por semana, dá disposição, elimina dores, previne doenças e não custa caro – se você optar por caminhadas, pode escolher a praça mais próxima da sua casa, ou até mesmo andar envolta do seu quarteirão por 40 minutos 4 vezes por semana, a única coisa que vai gastar é a sola do tênis.

 

Contra o estresse, vai bem uma rotina mais tranquila para os dias de estudo e trabalho e uma programação mais estimulante ou relaxante para os dias de folga, sempre de acordo com suas necessidades físicas e psicológicas. Faça as coisas que você pode e sabe fazer, compre o que você precisa e não o que você deseja, isso economiza sua renda para que você possa fazer aquelas coisas que pensa não poder, como viver novas experiências ou contratar profissionais para te ajudar naquilo que você não saberá se orientar sozinho – lembra da nutricionista? 😉

 

Além disso, que pode te dar qualidade de vida, reserve parte do seu tempo para as atividades que te dão prazer – às vezes são aquelas relacionadas à profissão que você gostaria de ter seguido, mas não foi viável. Desenhar, escrever, estudar cinema, aprender sobre bandas de rock, preparar receitas culinárias novas no almoço de sábado. Todas essas coisas são simples, mas liberam uma energia incrível em quem as faz e as ama! Então, faça, antes que elas morram como desejo e se tornem frustrações. Conte para os amigos, chame-os para participar, novas oportunidades e relacionamentos podem surgir a partir disso!

 

Pedro recuperou sua forma, começou a dormir melhor, ficou mais produtivo, melhorou de humor, conversa sobre assuntos interessantíssimos que não são apenas aqueles voltados para sua área profissional – e por isso o pessoal que trabalha com ele gosta bastante da sua companhia além do seu trabalho. Também economizou uma grana, viajou para um lugar que sempre quis conhecer, onde aproveitou pra fazer um curso, conheceu pessoas e descobriu oportunidades profissionais interessantes. Mas essa é a vida do Pedro. E a sua?

 

 

Fotos:
Sissy Eiko (@sissyeiko)

 

ricardo melegatti

 

Rico Melegatti – Nasceu em São José do Rio Preto e mora em São Paulo. É advogado, graduado pela Faculdade de Direito da USP, trabalha com administração e varejo, além de design gráfico. É amador de arte, especialmente literatura e cinema. Conversa com sua psicanalista toda semana. Gosta de experimentar, se conhecer, escolher o que lhe faz bem e viver melhor a cada dia.

 

 




Redação - Almanaque SOS
Desvendando o dia a dia. Acompanhe o SOS também pelo Facebook, Instagram e Twitter

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui