• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato

Sem Crise!

A ciência revela como encontrar mais motivação para o trabalho

Truque cientifico para dar um chega pra lá no desânimo e ainda deixar o cotidiano mais leve.

Felipe Gatto Publicado: 04/07/2016 12:54 | Atualizado: 04/07/2016 12:54

Você é daqueles que acorda desanimado todos os dias e levanta quase que arrastado para ir trabalhar?

Então, essa notícia é sua. Ou melhor, é nossa!

trabalho0_sossolteiros_gif

Existem diversas dicas que podem te dar uma mãozinha em como encarar melhor o seu emprego, como por exemplo, enxergar a labuta pelo lado positivo ou fazer o que se ama, certo?!

Mas, se já tentou de tudo, saiba que você realmente não precisa se sentir motivado para realizar as suas tarefas, isso foi o que mostrou a matéria publicada pela Revista Galileu.

Sem motivação? Como assim?

Muitos pensam que nossas emoções precisam estar em ordem para realizarmos bem o trabalho, mas as coisas não precisam ser assim.

O escritor Oliver Burkeman, no livro “The Antidote: Happiness for People Who Can’t Stand Positive Thinking” (“O Antídoto: Felicidade para pessoas que odeiam pensamento positivo”), reforça a ideia de que devemos tirar das nossas mentes aquelas ideias motivacionais que nos enchem de pressão e expectativas.

“Quem disse que você tem que esperar ‘ter vontade’ de fazer uma coisa para realmente fazê-la? O problema dessa perspectiva é que você não se sente realmente motivado: você imagina que precisa estar motivado”, explica ele.

O que o autor faz, nada mais é que nos orientar a fugir daquele monte de cobranças do tipo: “Tenho que ficar bem!” ou “Preciso gostar do meu trabalho”.

Eu amo meu trabalho. Eu amo meu trabalho. Eu amo meu trabalho.

Como fugir dessas cobranças?

Segundo o autor inglês, a solução para esse, que é o dilema de muita gente todos os dias, pode ser mais simples do que parece e ainda evita com que façamos bobagens na hora de algum pico de estresse: tentar deixar esses sentimentos conflituosos de lado.

“Se você consegue compreender que seus pensamentos e emoções sobre aquilo que não quer fazer podem mudar como o clima, você entende que a sua relutância a trabalhar não é algo que precisa ser erradicado ou transformado em pensamento positivo. Você pode coexistir com isso. Você pode notar os pensamentos procrastinadores e trabalhar mesmo assim”, disse ele.

trabalho2_sossolteiros_gif

Mesmo parecendo um tanto quanto óbvia e simples demais, essa ideia pode fazer com que tenhamos um dia a dia mais leve, pois aceitamos o “não quero fazer isso” e não nos cobramos mais, não nos julgamos por nos sentir assim.

A teoria de Burkeman também esteve presente em um artigo escrito para a revista Psycoloy Today, em 2012. No material, o escritor cita o psicólogo japonês Shoma Morita em suas explicações.

“É correto assumir que devemos ‘vencer’ o medo de pular em uma piscina, ou aumentar nossa confiança antes de convidar alguém para um encontro?”, questionou Burkeman que mostrou a resposta de Morita: “Se fosse, a maioria de nós ainda estaria esperando para fazer essas coisas”.

Ou seja, o lance não é se motivar obrigatoriamente ou não ter medo, o segredo é encararmos nossos desafios e medos de frente, não desanimar por conta disso e focar no que virá adiante, nos frutos que poderemos colher disso tudo.

O único risco de tudo isso é você acabar se acomodando com algo que não goste e nunca mais sair do lugar, não acha?

Fonte(s): Science of Us, Psycology Today
Felipe Gatto
Jornalista apaixonado por viajar e se aventurar por aí. Pensar na vida, defender o amor e falar sobre artes também é comigo mesmo.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui