• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato

Vai, planeta!

Meu cachorro/gato come todas as minhas plantas; o que fazer?

Lembre-se de observar, fazer testes e ser paciente.

Marina Dutra Publicado: 23/10/2020 11:44 | Atualizado: 23/10/2020 11:55

Não é fácil ter plantas em casa se você tem um cachorro ou um gato que adora comê-las. Pois saiba que é possível promover uma convivência pacífica. Lembre-se de observar, fazer testes e ser paciente.

 

Não é fácil realizar o sonho de entupir a casa de plantas se você tem um cachorro ou um gato que adora comê-las. E, se nem sob ameaça de perder o petisco ele não parou, não desista ainda da planta (e nunca do bichinho), ok?

Durante a nossa busca por alternativas para solucionar o seu problema, percebemos que é possível promover uma convivência pacífica entre pets e plantas. Descubra a seguir, mas lembre-se sempre dessas três dicas: observe, faça testes e seja paciente. Uma hora dá certo!

 

Por que gatos e cachorros comem minhas plantas?

Giphy, https://giphy.com/gifs/love-smile-queen-a0KBCGQDHKidO

Permissão para o exagero, mas nada mais doloroso que encontrar aquela planta mortinha da silva após um ataque do seu pet. Essa sensação me acompanhou quando a minha pacová, tão desejada e esperada, foi o jantar do meu cachorro no seu primeiro dia de casa nova.

Por isso, a dica sobre observar e entender o contexto é muito importante.

Animais de estimação são, por natureza, bichos curiosos. Então, toda vez que você chegar em casa com uma planta nova ou plantar aquela mudinha que ganhou do vizinho, é muito provável que seu pet vá rondá-la e cheirá-la; porque ele entende isso como novidade.

Portanto, não esconda de imediato a nova moradora da casa e, sob sua supervisão, permita que seu o cachorro ou gato chegue perto e sinta o cheiro dela. A dica é da jardineira Carol Costa, que dá mais um conselho para você observar por que o animal age dessa maneira:

 

1. Tédio

Em um de seus vídeos no YouTube, Carol Costa conta que já precisou construir jardins em casas com animais que são o terror de qualquer plantinha. Sendo assim, ela observou que pets com muita energia precisam ser estimulados com passeios e brincadeiras para evitar o tédio e, consequentemente, ficarem bem longe dos vasos, jardins e hortas.

“É muito importante promover o enriquecimento ambiental com brinquedos, brincadeiras interativas e passeios mais longos para evitar um animal entediado”, recomenda a médica veterinária Bruna Mietto Alves dos Santos.

A dica vale principalmente para os filhotes.

 

2. Falta de nutrientes

Cães e gatos são seres tão inteligentes que conseguem sentir quando algo não vai bem. Geralmente, eles procuram as plantas para suprir a ausência de algum nutriente.

Segundo a médica veterinária com atuação em dieta natural e nutrologia, Priscila Borges Gonçalves, esse comportamento é chamado de automedicação animal ou zoofarmacognosia.

“Eles buscam elementos naturais que vão corrigir alguma deficiência ou incômodo. Por exemplo, a grama é uma fonte de fibras, enzimas e probióticos que ajuda na digestão ou induz ao vômito, aliviando o desconforto”, explica a veterinária.

Entretanto, se esse comportamento se torna compulsivo ou há o consumo exagerado, a recomendação é procurar um médico veterinário para investigar outras causas.

“Se o consumo está além do controle ou não é mais por curiosidade, é bom procurar um especialista para saber se é alguma verminose ou uma grave carência nutricional”, ressalta Priscila.

 

3. Às vezes eles só querem atenção

Muitas vezes os cachorros e gatos estão passando por uma adaptação, como mudança de casa e de hábitos que geram muito estresse ou ansiedade pela separação. E em quem eles descontam para chamar a sua atenção? Na coitada da samambaia que não tem nada a ver com isso.

Por isso, lembra Priscila, quando você se deparar com o pet mexendo na sua planta, faça algo para desviar a atenção dele, repreenda-o sem alarde e diga um “Não” bem firme.

Poxa, mas tava tão gostosinha…

 

Como evitar que o cachorro ou gato comam as plantas

As dicas para você viver em harmonia com pets e plantas dentro de casa foram resultado de pesquisas pela internet e consultas com especialistas, amigos e vizinhos tutores de cães ou gatos.

Então, novamente: faça testes e observe o experimento. Às vezes uma dessas alternativas pode ser a solução para a sua sonhada selva urbana. Tome nota:

 

1. Plantar grama para os pets

Como falamos acima, o ato de comer plantas é instintivo nos cachorros e gatos, que o fazem para a reposição de nutrientes ou para induzir ao vômito na tentativa de aliviar um desconforto estomacal.

Diante disso, uma dica é plantar grama natural como a do milho para pipoca, de trigo e aveia. Basta alguns grãos, vasos com terra, água e tempo para ver a mágica acontecer. Ela funciona principalmente para os gatinhos que amam essas gramas.

Você encontra os grãos em lojas de cereais ou produtos naturais. Mas cabe lembrar que o milho para pipoca é aquele de saco e não o de micro-ondas.

 

2. Tela de galinheiro, gravetos e outras barreiras físicas

Esse truque vale tanto para quem tem um jardim como para quem vive em um apartamento. A ideia é criar barreiras de proteção para a planta, como instalar tela de galinheiro ao redor das mudas e hortas.

Algumas pessoas chegam a colocar a tela de galinheiro e um toldo por cima da planta, e até tela galvanizada para os cães mais insistentes. Além disso, a jardineira Carol Costa sugere a construção de canteiros de tijolos elevados para impedir o acesso dos animais.

Quem mora em casa sem jardim ou apartamento pode apostar em barreiras físicas em volta dos vasos de plantas. Como cercas ou grades pequenas, livros ou objetos mais pesados, barricada de ripas de madeira.

Por fim, outra dica é cobrir os vasos com varetas, seixos ou pedras a fim de evitar que seu cão ou gato fuce na terra ou coma as plantas.

 

3. Vermiculita

Mais uma dica da Carol é apostar no uso dos grãos tratados da vermiculita (um substrato para plantas) para esse propósito. Além de ajudar a manter as plantas úmidas por mais tempo, ela age como repelente natural e não faz mal para os animais.

O seu cheiro lembra citronela e não agrada muito os focinhos. No mais, você encontra o produto em gardens e casas de jardinagem.

 

4. Plantas e ervas com aroma forte

Ainda nessa pesquisa em busca de ajudar os sonhadores da urban jungle, um dos lugares para pescar dicas inusitadas é na caixa de comentários de postagens no YouTube ou Instagram.

Um dos truques encontrados é espalhar folhas cortadas de capim santo e losna (absinto) ao redor dos vasos. Como você já imaginou, o cheiro dessas plantas é pouco atrativo para cães e gatos. Mas é aquela coisa, tem que testar (vai que o seu pet gosta!).

 

5. Spray de vinagre

Não vamos deixar de fora da lista o famoso spray de vinagre, pois ele já deu certo para muitos tutores. A receita é: cascas de 1 limão acrescentadas no vinagre de álcool (cerca de 300ml). Deixe curtir por 6 horas e borrife ao redor dos vasos e canteiros (sem atingir as plantas).

Faça isso 2 vezes ao dia até que o seu bicho perca o interesse. A dica é do canal Adoro Plantar.

 

6. Ofereça plantas medicinais

A médica veterinária Priscila Borges recomenda plantar ervas medicinais em uma floreira e oferecê-las às vezes para o animal de estimação.

“Faça um jarro com plantas medicinais como hortelã, camomila e orégano especialmente para o seu cão ou gato. Mas não deixe sempre à disposição dele, somente quando você perceber que ele está procurando outras plantas para comer”, explica.

 

7. Dica polêmica: fezes nas plantas

O Alexandre Rossi, pai da Estopinha, sugere uma solução que é somente para os corajosos: dissolver as fezes do cão em água quente, deixar esfriar e, em seguida, regar as plantas com essa mistura. O cheiro ficará empestado durante um ou dois dias, mas some. E aí, vai tentar?

 

8. Brinquedos e passeios

Vamos repetir novamente: canse o seu bicho. Invista em brinquedos interativos para cães ou gatos, mantenha-o distraído, gaste um tempo de qualidade com seu pet em passeios.

 

9. Plantas fora do alcance

A médica veterinária Bruna Mietto sugere deixar as plantas, principalmente plantas tóxicas, em locais onde o pet não tenha fácil acesso.

Portanto, essa é a hora de adquirir aqueles hangers de macramê para pendurar no alto as plantas, optar por prateleiras e suportes que não possuem apoio para o danado do gato subir. Essa, inclusive, foi a dica mais recomendada por gateiros que não abrem mão de ter uma casa cheia de plantas.

 

10. Adestramento

Você ainda pode optar pelo adestramento, especialmente no caso de cães filhotes que estão na fase de construção de hábitos e comportamentos.

 

E se nada disso funcionar, o que fazer?

Se o seu cachorro ou gato ainda insiste em te passar raiva por comer as suas plantas, evite espécies que são tóxicas.

Algumas espécies como a comigo-ninguém-pode, os lírios e a costela-de-adão são perigosas, pois podem provocar irritação, apatia, diarreia, salivação ou vômito. Cannabis também, viu! Outras espécies não indicadas são a espada de São Jorge, jiboia, azaleia, begônia, babosa, bico-de-papagaio, coroa de cristo, hibisco, hortênsia, samambaia e tulipa.

Caso seu pet tenha ingerido alguma dessas plantas, não entre em desespero. Ofereça carvão ativado, caso tenha, e procure imediatamente um atendimento veterinário.

“O ideal é procurar um especialista e evitar qualquer tipo de receitas caseiras que vemos na internet, pois elas podem agravar o quadro de intoxicação”, aconselha a médica veterinária Bruna Miatto.

Aceite

Por fim, se você tentou todo tipo de gambiarra e simplesmente nenhuma funcionou, nós temos mais dois conselhos finais: aceite que os animais não fazem isso por mal. Isso é da natureza deles, logo, é complicado brigar contra esse instinto.

E o conselho mais importante é: não vá abandoná-lo por causa disso e nem maltratá-lo. Por isso, não adote um animalzinho se você não estiver preparado para lidar com peludos arteiros e destruidores de plantas indefesas.

Fonte(s): Revista Casa e Jardim, Minhas Plantas, Minhas Plantas (2), Adoro Plantar, Victor Mammana
Marina Dutra
Uma jornalista goiana se aventurando em São Paulo. Ama jardinagem, botânica e é uma ótima conselheira para assuntos sérios e aleatórios.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui