Colunas

App 99: demora ao responder caso de homofobia é um sinal de alerta!

14 de março de 2019
Postado por Dario

Vivemos em um mundo em transformação caótica. Seja de forma acelerada ou não. Desde aplicativos de mobilidade urbana que transformaram as cidades em poucos anos, até a luta pelos direitos LGBT+, dura e lentamente conquistados.

Apesar disso, tem quem se perca em meio a tanta mudança. Foi o caso do motorista Fredson, que trabalhava para o aplicativo 99.

A denuncia feita na quarta feira (13) pelo Yuri, na sua conta no Twitter, deixa claro que os avanços tecnológicos realmente não estão acompanhando os avanços da sociedade:

Em Manaus, um motorista disse que não iria fazer o trajeto com o jovem caso ele fosse “viado”, pois “não curte fazer corrida” para LGBTs. Vale dizer que apesar da denúncia pública ter sido feita na quarta (13), o caso aconteceu segunda feira (11).

Rapidamente, centenas de usuários da rede social cobraram um posicionamento imediato da empresa, como foi o caso do youtuber e ativista Pedro HMC:

Só após 15 horas a empresa se manifestou, com dois tweets. Um deles, de forma mais genérica, falando sobre segurança no trajeto – o que Yuri não fez.

A 99 disse que “em caso de emergência” o jovem deveria ligar para o telefone da Central de Segurança. Já no outro tweet, explicou que tomariam as medidas necessárias, mas sem explicar quais:

Ao SOS, a assessoria da 99 disse que o motorista foi imediatamente suspenso do aplicativo. Também explicou que não são eles que conduzem a comunicação nas redes sociais; deu entender que a demora e a forma confusa de se manifestar se deva a isto.

A 99 informa que recebeu do passageiro a grave denúncia envolvendo um motorista da plataforma. De acordo com ele, o caso ocorreu na madrugada de segunda-feira, dia 11 de março, em Manaus (AM).

O perfil do condutor foi imediatamente bloqueado do aplicativo.

A 99 repudia qualquer forma de preconceito e tem uma política de tolerância zero em relação a isso.

A empresa se solidariza com o passageiro e lamenta profundamente. A companhia está em contato com ele para prestar todo o apoio que for necessário. Também se encontra aberta a colaborar com a polícia.

A 99 informa ainda que está trabalhando 24 horas por dia, 7 dias por semana, para colaborar com a segurança dos usuários e usuárias.”

De quem é a culpa? Estamos seguros?

Com falta de regulação sobre as mais diversas aplicações tecnológicas que surgem a cada dia, a responsabilidade nem sempre cai sobre as empresas que comandam tais aplicativos.

Seja para um motorista homofóbico de app, que sem leis e vínculos trabalhistas, se vê livre para fazer o que quiser, até um influenciador digital que divulga produtos de forma irresponsável, pois não existe nenhum critério legal sobre o assunto, tudo depende do entendimento do juiz.

Exemplificando, teve caso no Rio de Janeiro em que o aplicativo foi inocentado de responsabilidade, e no Rio Grande do Sul já teve caso que responsabilizou o app de transporte.

As leis e a sociedade simplesmente não conseguem acompanhar o ritmo do progresso tecnológico. Prova de que a evolução social anda em marcha lenta em relação a tecnologia é que, em pleno 2019, ainda estamos debatendo direitos básicos de LGBTs.

Precisamos nos equilibrar.

MATÉRIAS RELACIONADAS