• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

Especialista ensina a melhor técnica para o Bullying não te afetar

Basta entender que essas ofensas fazem parte de um jogo.

Desde criança aprendemos que se nos importarmos com o apelido pejorativo, é aí que ele “pega”. Acontece que de lá pra cá o bullying deixou de ser visto apenas como uma brincadeira de criança e tem tomado proporções catastróficas na vida delas.

Mas existe uma técnica que pode contornar isso com certa facilidade. O premiado educador e palestrante estadunidense Brooks Gibbs publicou em seu canal do youtube um trecho de uma de suas palestras onde ensina a maneira mais eficaz de dar fim ao bullying.

E olha só, aquilo que a gente aprendeu na infância até que faz algum sentido.

Segundo o educador, os sociólogos enxergam o bullying como uma tentativa de dominação, ou seja, quem pratica o bullying está querendo mostrar sua superioridade em relação a outra pessoa.

É como um jogo, onde o agressor deve ganhar do agredido, deixando-o mais chateado, com raiva, desestabilizando o seu emocional. Toda resposta descontrolada é como “combustível” para a ira do agressor, ou seja, responder na mesma moeda vale pontos positivos nessa competição destrutiva.

Mas então, como “ganhar” esse jogo?

Como dito no início: “Se nos importarmos com o apelido pejorativo, é aí que ele “pega””. Gibbs sugere que a resposta para esse joguinho cruel é a resiliência, ser capaz de receber ofensas (e todo o ódio) sem se abalar emocionalmente.

O educador afirma que se não reagir com mesma intenção, aquela esperada por quem faz o bullying, ele acaba perdendo a força. O jogo de “quem ganha e quem perde” simplesmente não acontece. E um jogo sem sentido simplesmente não tem graça, logo os “valentões” finalmente deixam a vítima em paz.

Uma forma prática e extremamente eficiente de não se abalar com as ofensas é levar tudo na esportiva, ou seja, com bom humor. Te chamaram de “rolha de poço”? Não leve a sério, diga que “já tinha conhecimento dessa informação”. Falaram que você é feio? Sorria respondendo que levará a reclamação para “fábrica”.

Simplesmente não dê importância – pois é tudo o que eles querem.

A tática apresentada por Gibbs nos faz lembrar muito da técnica do “tudo bem”, que explicamos neste artigo. Quando ouvir algo que não é realmente importante, não devemos esquentar a cabeça. Basta dizer “tudo bem” e seguir com a vida.

Então tudo bem

O experimento na prática

Para mostrar a eficácia da “dica”, Gibbs pede para uma garota ofendê-lo durante sua palestra, gozar de suas roupas e fazer uso de todos os argumentos que as pessoas usam quando praticam bullying.

No primeiro momento, quando ele reagia rebatendo os xingamentos e mostrando-se visivelmente abalado com o que estava sendo dito, com a sensação de “estou ganhando”, a garota ficou com ainda mais “gás” para ofendê-lo.

Já no segundo momento Gibbs começou a agradecer aos xingamentos, concordar com eles e também se mostrou indiferente as palavras de ódio que a garota usava para ofendê-lo. Aos poucos, a graça em ofender perdeu valor, o fato de não sentir a sensação de “vitória” crescendo dentro de si fez com que a garota ficasse constrangida, e assim parou com as ofensas.

De fato, manter um equilíbrio mental e emocional forte o suficiente para aguentar essa pressão não é fácil. Mas basta lembrar que essas ofensas são apenas parte de um joguinho, com o tempo você domina as regras e ele simplesmente não te afetará mais.

É claro que se a violência for física o cenário muda completamente. Nesses casos não hesite de avisar os responsáveis (seja os seus pais, a coordenação da escola ou em casos graves, a polícia).

Veja abaixo o vídeo completo da palestra de Gibbs (em inglês), onde ocorre o experimento:

Fonte(s): Brooks Gibbs - Youtube, Jungle VT - Facebook
Redação - Almanaque SOS
Sempre tem jeito. Acompanhe o SOS também pelo Facebook, Instagram e Twitter

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui