• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Sinta-se Bem

Álcool, cigarro, maconha ou cocaína: Qual é o mais perigoso?

Um comparativo com estudos relevantes para tirar todas as sua dúvidas e preconceitos.

Além de muitos de nós, solteiros, consumirmos legalmente bebidas alcóolicas e tabaco no dia-a-dia, sabemos que a maconha e a cocaína também estão muito presentes aonde quer que se vá. Legais ou não, essas quatro substâncias são as mais utilizadas das chamadas drogas recreativas.

Longe da discussão sobre critérios históricos/culturais que acabaram posicionando como aceitáveis algumas drogas em detrimento de outras, queremos saber: qual delas têm mais poder de nos destruir?

giphy (1)

Uma pesquisa publicada na revista Scientific Reports, braço da Nature, resolveu comparar os riscos de mortalidade entre os usuários de álcool, nicotina, maconha, cocaína e outras substâncias. Descobriram que as prioridades estão completamente invertidas.

A maconha é a única droga considerada de baixo risco, seguida de longe (já na zona de alto risco) pela metanfetamina, o ecstasy, o tabaco, a cocaína, a heroína e o álcool, respectivamente. Ou seja: enquanto a nossa cerveja de cada dia é considerada de altíssimo risco para a vida, a maconha é 114 vezes menos letal.

sos-grafico-drogas

Washington Post

A taxa de mortalidade considera o número relativo de pessoas que morrem dentro do universo de usuários. Ou seja, 100 maconheiros mortos seriam algo como 1 milhão de pinguços à sete palmos. Caso isso não fosse considerado na pesquisa, apenas o álcool seria considerado de alto risco e sabemos que não é bem assim.

Pare e compare

Ficou preocupado? Nós também! Por isso resolvemos compilar algumas informações para você que agora se vê em um dilema macabro: morrer de câncer ou de cirrose? Além disso, procuramos o que faz bem nessas substâncias, para mostrar que tudo pode ter um lado bom. Mas por favor, só consumo moderado, hein?

Álcool – Alto risco

  • Dependentes: 11,7 milhões de brasileiros, segundo pesquisa da Unifesp;
  • É natural? Sim. A matéria prima vem da cana-de-açúcar, milho, mandioca ou do eucalipto. Mas não é só extrair: o processo de produção conta com etapas físico-químicas;
  • Efeitos: É um depressor natural, mas causa euforia e desinibição ao início. Depois, pode ocorrer descontrole, falta de coordenação e sono;
  • Abstinência: confusão mental, visões, ansiedade, tremores e convulsões;
  • Overdose: a partir de 2,3 gramas/litro; depois de 2,5 g/L já pode levar ao coma;
  • Mortes: 3,3 milhões de pessoas todos os anos, segundo a OMS. São 12,2 mortes relacionadas ao consumo de álcool para cada 100 mil por ano no Brasil;
  • Maiores sequelas: Doenças hepáticas e problemas neuropsiquiátricos;
  • Venda: Grandes corporações globais lucram com a venda de bebidas alcóolicas no mundo inteiro, mas o custo social também é alto – R$ 372 bilhões. É que acidentes de trânsito causados pelo consumo indevido fazem escorrer dinheiro da Previdência Social – com indenizações e aposentadorias por invalidez – e do SUS (segundo o psiquiatra Leonardo Moreira);
  • Benefícios para a saúde: Aumento do colesterol bom, prevenção ao infarto e aumento da coagulação do sangue – tudo com consumo moderado, de acordo com o Dr. Drauzio Varella.

cachaca_mat

comofas


Cocaína – Alto risco

  • Dependentes: 1,3 milhões no Brasil (incluindo dependentes de crack), segundo pesquisa;
  • É natural? Sim, mas adiciona-se solventes como álcalis, ácido sulfúrico e querosene. Na versão “crack” é só o lixo;
  • Efeitos: Euforia, sensação de poder, agressividade, tesão, insônia, perda de apetite, taquicardia, hipertensão, delírios, tremores, salivação intensa, etc;
  • Abstinência: “Fissura”, ansiedade, depressão, retardamento psicomotor e vontades suicidas;
  • Overdose: Segundo estudo da USP, a partir de 1g já é possível sofrer as consequências, como arritmias cardíacas, convulsões, asfixia, podendo inclusive levar a morte;
  • Mortes: não existem dados no Brasil, mas um terço dos usuários de crack morrem em cinco a dez anos, segundo o CMF;
  • Maiores sequelas: Miniderrames causados pela pressão sanguínea diminuem a atividade cerebral, como se estas fizessem parte de um computador debilitado;
  • Benefícios para a saúde: A folha de coca pode diminuir o cansaço, a fome e a dor, mas esta é bem mais fraca do que o pó. Mascar as folhas é parte da cultura dos povos andinos.

Cientificos-crean-vacuna-para-terminar-con-la-adiccion-a-la-cocaina-1

lookfordiagnosis


Tabaco (cigarro) – Alto risco

  • Dependentes: Mais de 1 bilhão no mundo, segundo pesquisa da Universidade de Washington. No Brasil, 22 milhões, segundo o PNAD;
  • É natural? Apenas a nicotina, principal componente do fumo. O resto inclui mais de 4 mil tóxicos como monóxido de carbono, alcatrão e elementos radioativos;
  • Efeitos: Estimulante ou tranquilizante, a depender do fumo; náuseas dor de cabeça, vômitos, convulsão;
  • Abstinência: Agitação, falta de concentração, ansiedade, tremores, fome compulsiva, insônia, apatia, agressividade;
  • Overdose: Nada indica que é possível morrer de overdose de cigarro, apesar das centenas de complicações a longo prazo;
  • Mortes: 130 mil por ano no Brasil, segundo o ONG Aliança de Controle do Tabagismo (ACT);
  • Maiores sequelas: Inflamação de mama, câncer de boca, pulmão, laringe, pele, infarto do miocárdio, derrames;
  • Benefícios para a saúde: Uma substância derivada do tabaco, a cotinina, se mostrou uma boa opção medicinal para tratar o Alzheimer. Nada indica, porém, que fumantes obtenham benefício direto disso.

tabagismo

vivamelhoronline


Maconha – Baixo risco

  • Dependentes: Não há dados, mas causa a menor das dependências comparada à cafeína, cocaína, álcool, heroína e nicotina, segundo pesquisa divulgada no The New York Times;
  • É natural? Sim. O fumo é extraído e prensado dos próprios componentes da planta Cannabis. Porém, indivíduos mal intencionados podem misturar a erva com substâncias tóxicas. É preciso confiar na procedência;
  • Efeitos: Euforia, relaxamento, apetite, bom humor, boca seca, vermelhidão nos olhos;
  • Abstinência: “Fissura”, diminuição do apetite, perda de peso, insônia, agressividade, irritabilidade, angústia, cansaço e sonhos estranhos, segundo estudo da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas;
  • Overdose: Não há indícios. É preciso fumar 680 quilos de maconha em 15 minutos para que isso aconteça, segundo o DEA norte-americano, o departamento anti-drogas dos EUA;
  • Mortes: Segundo artigo do Hospital Albert Einsten, não há registros de morte por maconha na literatura médica, e sim decorrentes de atividades inapropriadas ao efeito desta, como dirigir chapado. De acordo com relatório do DEA, é fisicamente impossível usar maconha o suficiente para causar a morte de uma pessoa;
  • Maiores sequelas: Pode deformar o cérebro, estimular quadros de esquizofrenia, ansiedade, crise do pânico e comportamentos psicóticos pré-determinados, segundo estudos;
  • Benefícios para a saúde: O uso pode aliviar os sintomas de glaucoma, náuseas, anorexia, dores crônicas, inflamações, esclerose múltipla e epilepsia, segundo o Dr. Drauzio Varella, entre outros benefícios que ainda estão sendo estudados.

maconha

radioboanova

É importante lembrar, porém, que tudo o que é natural (e não só artificial) pode ter consequências negativas para o nosso corpo, principalmente em excesso: de açúcar a veneno de cobra.

O ato de fumar, por exemplo, favorece a probabilidade do indivíduo desenvolver um ataque cardíaco, seja com um cigarro de tabaco ou com o de maconha. A diferença é que os mais de 4000 componentes tóxicos presentes junto ao tabaco trazem outros males, assim como a maconha perde a qualidade ao ter procedência duvidosa.

Por isso, se for fazer uso de drogas recreativas (legais ou não), faça com moderação, mantendo controle sobre mente e corpo. Se possível, procure também um profissional adequado para orientações individuais. Ninguém é igual a ninguém, e cada um precisa ser avaliado a partir de suas próprias características pessoais, física ou químicas.

 

– O SOS Solteiros não faz apologia ao consumo de drogas, tratamos abertamente assuntos pertinentes ao cotidiano, o texto presta serviço à saúde pública.

 

Fontes: Wikipedia | AquaBioTech | FundacaoCimas | TestTube

Paulo Finotti
Redação criativa é sua praia e está sempre a espreita de um assunto pseudo-metafísico; melhor ainda se for astronáutico, astrológico e com gifs no meio. Acredita que tudo pode ser engolido se o gosto for palatável.

Tá na rede!

Quero mais!

Veja mais artigos!

Em caso de chefe
clique aqui