• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Crossfit Mental

chevron_left
chevron_right

Afinal, para onde vão os “tiros para o alto”?

A questão não é pra onde vão, e sim pra onde voltam!

Em filmes de ação e bang-bang não há nada que funcione tão bem quanto alguns tiros para o alto para impor respeito e estabelecer a ordem.

Mas e na vida real? Pode até chamar a atenção, mas as chances de um tirinho “indefeso” pro alto dar zica, são gigantescas – um tiro pra cima pode até matar alguém.

Sem chance

Pois é, parece lenda urbana, mas por mais bizarro que isso pareça, é a pura realidade.

Quem explicou o mistério do tiro pro alto, que não entra em órbita e que pode causar um estrago fatal, foi a perita criminal da Polícia Científica de São Paulo, Eliane Barute, em entrevista para a Superinteressante.

Segundo a especialista, cada caso é um caso, e claro que a gente não pode comparar um tiro de rifle, com o de uma espingarda. Por isso, ela usou o exemplo da famosa três-oitão, a pistola que qualquer pessoa consegue imaginar de pronto quando pensa em arma, pois cada arma tem uma potência.

Um tiro para o alto com essa arma faz a bala subir com uma velocidade de 820km/h. Ela sobe, sobe, sobe…até uma altura de 742 metros, e lá perde força e começa a cair.

Nessa queda a bala do 38 atinge a velocidade de 278km/h, menor que na subida, mas suficiente para perfurar um corpo humano – já que bastam 18okm/h para isso.

Detalhe: tudo acontece em apenas 25 segundos!

A perita criminal afirma isso com veemência pois, em seus 14 anos de profissão, ela mesma já se deparou com casos assim:

“Um tiro que cai do céu pode matar. Calculando o trajeto que o projétil percorreu no corpo de uma vítima, analisando sua posição na hora do impacto, a gente descobre que a morte veio de cima” – explica ela.

Ou seja, se você tiver o azar de estar embaixo dessa projétil, e sem um guarda-chuvas à prova de balas, é bem possível que tenha que perguntar pessoalmente pra São Pedro como tudo aconteceu.

 

Fonte(s): Superinteressante
Yasmin Gomes
Yasmin Gomes é jornalista e rema contra a maré sempre que preciso. Exemplar clássico da área de humanas, não tem pudor para aplaudir o pôr-do-sol e se importar com pessoas. Signo de ar.

Tá na rede!

Quero mais!

Veja mais artigos!

Em caso de chefe
clique aqui