• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

A lista cresceu: 166 agrotóxicos são aprovados em 2019 (44% altamente tóxicos)

Os números devem aumentar, 43 novos pedidos estão na fila de registro.

No último dia 30, o Governo Bolsonaro autorizou o uso de mais 14 agrotóxicos por meio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Com isso, já são 166 novos agrotóxicos liberados desde o início da atual gestão – o que significa cerca de três venenos aprovados a cada dois dias. Os números devem aumentar; o Ato nº 27 inclui 43 novos pedidos na fila de registro.

Em 2008 o Brasil ocupou a posição de país que mais consome agrotóxicos no mundo, posição que ocupa até hoje; o que claramente resulta do desenvolvimento do agronegócio e do poder da ‘bancada ruralista’.

Desde o ano passado, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) vem demonstrando preocupação com o fato de que o Brasil ter liberado o uso de agrotóxicos já proibidos em outros países por serem extremamente perigosos; dos 166 agrotóxicos liberados neste ano, quase 44% estão nos dois níveis mais altos de toxicidade: 49 deles são extremamente tóxicos e 24 são altamente tóxicos.

O Inca destaca que os maiores afetados pelos efeitos dos agrotóxicos são os agricultores e trabalhadores das indústrias de agrotóxicos, mas que toda a população está sujeita a exposições múltiplas, seja pela ingestão de alimentos ou de água contaminados – vale lembrar a pesquisa que apontou contaminação por agrotóxicos em 92% da água corrente testada no Brasil.

Esse afrouxamento na legislação para a presença tão constante de agrotóxicos no nosso cotidiano serve de alerta; bem como diversas outras questões ambientais. Há alguns dias, por exemplo, o presidente do senado declarou que vai se empenhar para que o amianto, mineral cancerígeno proibido no Brasil e em mais de 50 países, seja liberado no país. O lucro está mesmo acima de tudo?

Fonte(s): Agência Embrapa, Inca
Daiane Oliveira
Redatora, feminista e mãe. Discute religião, política, sexo e hábitos sustentáveis. Não discute futebol porque não entende. Quem sabe um dia.

Tá na rede!

Quero mais!

Veja mais artigos!

Em caso de chefe
clique aqui