• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Atitude Coletiva

chevron_left
chevron_right

A ciência constatou: “Homofóbicos são gays enrustidos”

O teste feito com uma borrachinha provou o que muita gente já sabia.

É difícil entender porque as pessoas se importam tanto com o que os outros fazem ou dexam de fazer. Tem fiscal de tudo: cabelo, roupa, comportamento, xoxota e até do furico alheio.

macaquinhos_sossolteiros

Reprodução: Performance Macaquinhos

Mas como uma polêmica sempre é boa para reflexão, a revista Super Interessante publicou um vídeo em seu canal no Youtube, detalhando pesquisas científicas que constataram: homofóbicos são gays enrustidos.

Vamos explicar a mais impactante.

O teste da “borrachinha”

Em 1996 foi realizada uma pesquisa pelo laboratório do Departamento de psicologia da Universidade da Geórgia. Para isso, eles propuseram um teste com 64 homens, de 20 anos em média, que se declaravam heterossexuais. Eles foram divididos em 2 grupos.

O primeiro grupo formado por 35 homens classificados como homofóbicos, por terem respondido “sim” a perguntas como “você se sente desconfortável trabalhando ao lado de homossexuais?”, “ficaria nervoso num grupo de homossexuais?” e “se um membro do gênero masculino se insinuasse para você, ficaria furioso?”

O segundo grupo, de 29 homens, foi formado por não-homofóbicos, ou seja, pelos homens que responderam “não” para essas mesmas perguntas.

Contra fatos não existem argumentos

Os homens entravam em uma sala com luz baixa, cadeira confortável e recebiam um pletismógrafo penil (uma argola de borracha recheada de mercúrio líquido), que era colocada ao redor do bilau de cada um deles. Se eles se excitassem, a argola espicharia e o mercúrio mediria essa empolgação.

pletismografo_sossolteiros

Aparelho instalado, 3 filmes de 4 minutos foram exibidos as cobaias. O primeiro, de sexo entre um homem e uma mulher. O segundo, entre duas mulheres. E por último, o sexo entre 2 homens.

O resultado

Todos os homens se excitaram ao assistir os filmes entre homem e mulher, e de duas mulheres. Porém, ao assistirem o vídeo entre 2 homens, os homofóbicos registraram um aumento no diâmetro do pênis 4 vezes maior que os não-homofóbicos.

Após esses registros, os cientistas perguntaram para cada um se eles haviam tido uma ereção ao assistir o vídeo entre os 2 homens, e adivinha? Os homofóbicos, já flagrados no teste, responderam convictamente: não!

rupaul_sossolteiros

Mas e daí?

A conclusão da pesquisa foi que os homofóbicos, ou aqueles que sentem desconforto quanto pensam eu homossexualidade, frequentemente, nada mais são do que homossexuais reprimindo suas próprias tendências biológicas.

A pesquisa feita há mais de 15 anos, embora tenha uma pequena amostragem, ainda não foi contestada.

Moral da história

Possivelmente nem todos os homofóbicos são gays, porque não há como descartar questões culturais que os levam a rejeição aos homossexuais, por exemplo. Isso pode ser apenas uma dificuldade de lidar com o diferente.

Mas um fato incontestável é: pessoas que nascem gays e crescem em um ambiente repressivo, acabam aprendendo a suprimir essa homossexualidade e desenvolvem um sentimento de raiva de si mesmo tão grande, que acabam trasbordando e projetando isso em outras pessoas, bem resolvidas.

Busquem conhecimento

Para validar ainda mais o estudo, um documentário chamado “Outrage” (disponível no Netflix), feito em 2009 pelo diretor Kirby Dick, toca exatamente nessa ferida.

O filme se dedica a desmascarar a intimidade de políticos norte-americanos ultraconservadores que votavam contra o direito dos homossexuais, e que foram flagrados mantendo relações com pessoas do mesmo sexo.

Um deles, ao ser flagrado transando em um banheiro de aeroporto com outro homem, acabou saindo do armário. Mas isso não atrapalhou que ele fosse reeleito outras vezes, olha só.

Somos todos iguais na diferença

Isso tudo serve para atestar um fato inegável: é injusto que cidadãos homossexuais não tenham os mesmos direitos que os heterossexuais. Com quem eu transo, com quem você transa, ou as práticas sexuais do seu vizinho, não são da conta de ninguém. Muito menos do Estado: cada um é dono do seu corpo e tem o direito de fazer com ele o que bem entender.

Se você não gosta, apenas não faça.

Imagem de capa: wersm

Via: Youtube – Super Interessante

Claussen Munhoz
Gaúcho paulistano. Colorado de nascimento, formado em mundanidades e viciado em inutilidades. Tarado por informação, literatura e churrasco. Roteirista, jornalista e ex-produtor de Hermes e Renato que gosta de estudar e de batata. Só mais um entre tantos meninos perdidos.

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui