• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato

Sinta-se Bem

5 Motivos científicos para nunca mais beber leite (inclusive os ‘sem lactose’)

Especialista explica quais são os perigos do consumo de lácteos.

Dario C L Barbosa Publicado: 31/07/2017 12:31 | Atualizado: 31/07/2017 12:43

Há poucos meses rolou uma polêmica em torno de um vídeo que supostamente contava a horrível (e nojenta) trajetória do leite de vaca.

Agora outro vídeo repercutiu nas redes sociais. Publicado pelo Dr. Gabriel Azzini, médico especialista em nutrição, ortopedia e medicina integrativa, ele apresenta mais 5 motivos preocupantes para não bebermos leite. Olha só!

 

1. Aumenta a inflamação crônica

Segundo Dr. Azzini, o leite é rico em proteína, mas 90% dessa proteína é formada por caseina. Como no Brasil a maioria das vacas leiteiras são holandesas, metade dessa caseína é do tipo A1.

Esse tipo de caseína quando metabolizada pelo nosso organismo produz um metabólico chamado casomorfina, que inflama e causa um desequilíbrio intestinal que vai aumentar sua inflamação crônica e piorar seu organismo, afirma o profissional.

Sem contar que no caso do queijo, a ciência já alertou que essa substância é potencialmente viciante, assim como a morfina.

 

2. Aumenta o risco de cálculos renais

O leite é rico em cálcio, mas ele está em desequilíbrio com outros mineiras presentes na bebida, como zinco, ferro, manganês etc. Ao ingerimos esse leite com cálcio excessivo, aumentamos a excreção renal da substância, levando à risco de cálculos renais e dificultando a absorção do cálcio pelos ossos, alerta o especialista.

 

3. Acelera envelhecimento e baixa a imunidade

A atenção serve para o leite sem lactose também. Pois nesse caso, ela não é retirada da bebida de verdade. Na produção, acrescentam uma enzima (lactase) ao leite, então a lactose é quebrada em D-Glicose e D-Galactose, explica o doutor.

O alerta fica para a D-Galactose, uma substância que acelera o envelhecimento, aumenta a resposta inflamatória, baixa imunidade, aumenta o estresse oxidativo e favorece o aparecimento de mutações genéticas.

 

4. Diminui produção de testosterona e pode atrasar a puberdade

Geralmente, as vacas leiteiras ficam prenhas por 300 dias. É nessa fase que elas produzem a maior quantidade de leite, porém, essa bebida possui cerca de 30 vezes mais estrogênio que uma vaca não prenha (que amamenta).

Nos homens, esse consumo excessivo de estrogênio vai diminuir a produção de testosterona, a contagem de espermas e nos jovens, pode atrasar a puberdade.

 

5. O consumo está associado à tipos de câncer

Segundo Dr. Azzini, diversos estudos científicos já comprovam que o consumo excessivo do leite está associado ao câncer de próstata, nos homens, e nas mulheres, câncer de ovário.

O profissional então sugere a substituição desse leite pelas versões naturais da bebida, como leite de coco, amêndoas ou castanhas, por exemplo. O profissional ainda alerta que as versões do leite em pó ou desnatado, assim como os derivados da bebida (como queijos e iogurtes) também devem ser evitados.

 

Veja o vídeo completo com a explicação do doutor:

Fonte(s): Dr. Gabriel Azinni
Dario C L Barbosa
Fundador e editor do Almanaque SOS. Paulistano, formado em Comunicação Social, trocou os anos em redes de rádio e televisão pela internet em 2012. Vegetariano, meditante e ecossocialista na luta por consciência e equidade. ( Twitter - Instagram ).

Tá na rede!

Em caso de chefe
clique aqui