• Colabore!
  • Sobre nós
  • Contato
  • Anuncie

Vai, planeta!

20 Dicas para o animal de estimação não passar sufoco no Verão, segundo especialistas

Veterinários apontam erros que tutores costumam fazer nessa época.

Com o verão cada vez mais quente não está sendo fácil suportar as altas temperaturas que o país está enfrentando, inclusive os animais. Os peludos sentem mais incômodo e necessitam de mais responsabilidades e cuidados.

Humanos conseguem se virar como podem para amenizar o mal estar causado pelo calor, mas e os bichinhos de estimação? Não há comunicação verbal para que o dono entenda perfeitamente suas necessidades, há apenas sinais no comportamento que podem servir de alerta de que o bichinho está em apuros.

Por isso isso, consultamos especialistas e montamos uma seleção com várias dicas para salvar a vida dos pets neste verão:

 

1. Atento aos sinais

O calor causa bastante incômodo aos animais. O especialista em estética canina, Rafael Faria, explica que é natural que fiquem mais cansados ou desanimados durante este período e dependem de mais atenção.

“Quando o animal está com calor, ele dá alguns sinais como, boca aberta o tempo todo, respiração ofegante e dificuldade para caminhar. Algumas raças mais sensíveis podem apresentar hipertermia, pressão baixa, vômitos, insolação e até mesmo câncer de pele”, alerta o profissional.

 

2. Água, muita água

Assim como os humanos, os animais também devem estar sempre hidratados, é importante estimulá-los a beber bastante líquido. A dica é deixar um recipiente grande, ou um pequeno em diferentes locais da casa com água fresca e limpa.

“Cubinhos de gelo podem ajudar a manter a água fresquinha e chamar a atenção do cão ou gato, além de ser um incentivo à hidratação”, destaca Rafael.

Inclusive ensinamos como fazer essa bolinha de gelo (imagem abaixo), veja aqui.

 

3. Não deixe a ração exposta

No calor, é importante tomar um certo cuidado com a ração. Não é recomendável deixá-la exposta por muito tempo, pois a umidade da saliva do animal junto à temperatura podem causar um processo de fermentação e deteriorar o alimento.

O especialista explica que naturalmente os pets vão sofrer alterações no apetite, e não é um fator alarmante, pois no verão preferem comer menos ou durante o período noturno, quando se sentem mais confortáveis.

 

4. Frutas geladas ou congeladas

Uma boa maneira de refrescar os bichinhos é introduzindo frutas frescas e congeladas na sua rotina de alimentação. As frutas podem ser congeladas em cubos e colocadas no pote de água para incentivar que os animais comam e tenham contato com mais nutrientes. É importante evitar frutas ácidas, com sementes e nem pensar em picolés com açúcar.

 

5. Use filtro solar

Sim, o uso do protetor solar também é importante para proteger a pele dos animais. Há no mercado produtos específicos de uso veterinário que evitam queimaduras nas partes mais sensíveis dos animais como, orelha, focinho, envolta dos olhos e barriga. São essas as regiões que mais absorvem calor no corpo dos bichinhos.

 

6. Cuidado com os parasitas

Durante o verão é maior o índice de proliferação de pulgas e carrapatos por conta do ambiente quente e úmido. Para evitar que esses parasitas se acomodem nos animais é importante usar produtos de higiene e medicamentos que os combatam, além de manter sempre limpo o local onde o animal está acostumado a ficar.

 

7. Tosa higiênica, sim. Raspar, não!

A tosa higiênica, além de ajuda na manutenção da limpeza do animal, e de amenizar a infestação de parasitas, auxiliar no frescor e bem-estar. A médica veterinária, Andréa Pimentel, do canal “Vida de Veterinária”, destaca que a pelagem é muito importante para a proteção da pele do animal, mas com o calor excessivo é recomendável diminuir o comprimento do pelo.

“É importante para que se sintam confortáveis. Não raspar, pois o pelo protege contra o sol, de queimaduras e várias coisas, mas deixar uma camada menor”, explica.

 

8. Não coloque sapatinhos de passeio

Não é recomendado o uso de sapatinhos de passeio, pois abafam as patas dos animais e impedem a troca de calor. Falaremos mais sobre o passeio em outros itens.

Acessórios indicados para usar no verão são as coleiras de repelente que evitam a contaminação de parasitas, tapetinhos gelados e bebedouros especiais para felinos, já que preferem beber água corrente e garrafinhas que viram recipiente para manter a hidratação durante os passeios.

 

9. Dê menos banhos

Apesar do calor, os banhos higiênicos devem ser em menor frequência. O ideal é no máximo um banho por semana, pois os bichinhos possuem uma camada de gordura que protege a pele. O banho frequente pode diminuir essa proteção, causando ressecamento e lesões que facilitam a contaminação com fungos e bactérias.

 

10. Quanto mais fresco o ambiente, melhor!

Para manter a integridade dos bichinhos, é importante que fique em ambientes frescos e arejados, longe do sol e calor excessivo.

“É necessário manter as janelas abertas e a casa ventilada. Com o ambiente aberto e maior ventilação, com certeza é onde eles vão preferir ficar”, alerta Andréa Pimentel.

 

11. Carro? Nem pensar…

O especialista, Rafael Faria, ressalta que não pode deixar os bichinhos em hipótese alguma em um carro sozinho.

“Sabemos o quanto é perigoso deixar o cão sozinho dentro do carro, então imagine no calor. A temperatura no veículo sobe rapidamente, principalmente se os vidros estiverem fechados”.

Além de causar insolação, isso pode ser fatal aos pets.

 

12. Animais pequenos só podem passear quando estiver muito fresco

Sobre os passeios no asfalto, a veterinária Andréa Pimentel, reforça a atenção com animais mais baixos. Cães de pequeno porte ficam com o abdômen mais próximo chão, o que facilita a absorção de calor e pode ocasionar queimaduras e insolação.

 

13. Animais de focinho curto precisam de mais atenção no verão

Os animais com focinhos curtos como bulldogs e gatos persas, necessitam de atenção especial pois são braquicefálicos e possuem uma respiração mais limitada.

Uma simples atividade no verão podem ocasionar em cansaço excessivo, respiração ofegante ou até mesmo a falta dela. Por esse motivo, cuidado com lugares onde tem piscina – falamos tudo sobre isso aqui.

 

14. Piscininha infantil, pode!

Piscinas de banho são bem-vindas para refrescar os animaizinhos no verão. Prefira piscinas pequenas, infantis, com água limpa e sem cloro. O contato com o cloro pode causar ressecamento na pele dos animais, e se ingerida pode causar problemas no estômago como a gastrite.

No mais, muito cuidado com a piscina grande, principalmente com animais braquicefálicos e também animais pesados, que tem dificuldade para nadar, como explicamos aqui.

 

15. Evite ir à praia, deixe-o fresquinho em casa

Um dia na praia pode ser muito prazeroso para os humanos, mas para os pets não é tão interessante assim. Andréa Pimentel explica que a tentativa de refrescar os cães na praia pode ter um efeito reverso, mesmo em baixo de barracas e quiosques.

“A questão não é só o calor em sentido dele, é o que ele absorve de calor daquele local. É melhor deixá-lo em casa, em segurança, com ventilador e tudo fresquinho do que levá-lo à praia e ele ter um problema muito sério de intermação”.

 

16. A hora que você NÃO DEVE passear

É importante evitar passeios durante os períodos mais quentes.

“Não saia entre às 10h e 17h, mesmo fora desse período, dê preferência para locais sombreados e com muitas árvores”, destaca Rafael Faria.

Lembre-se que as patas dos cachorros são muito sensíveis, antes do contato com o asfalto faça o teste de temperatura com as mãos ou prefira passeios noturnos.

 

17. Vacinas

No verão, o clima é mais propenso para proliferação de vírus, doenças e parasitas. As vacinas em dia, durante esta época, são de extrema importância para preservar a saúde dos animais.

 

18. O que fazer em caso de intermação ou hipertermia

A hipertermia, ou intermação, é uma condição que o animal obtém quando chega em estágio máximo de calor de desidratação, com temperatura corpórea acima de 41ºC.

O animal começa a demonstrar sinais de fraqueza excessiva, respiração ofegante, boca aberta e língua toda pra fora e roxeada. Quando o bichinho atinge esse estágio é a hora de correr para o veterinário. Andréa Pimentel ensina medidas importantes para que o animal chegue ao veterinário ainda com integridade.

“Colocar o animal embaixo do chuveiro com água gelada e esfriá-lo o máximo possível, depois enrole em toalhas molhadas e frescas e coloque bolsas de gelo no abdômen até a chegada ao veterinário”.

 

19. Não dê água durante uma crise!

Andréa Pimentel afirma que tentar dar água ao animal durante uma crise de hipertermia pode pior a situação.

“Não tente dar água ao cão! Ele está num processo de tentar respirar, e ingerir líquido pela boca pode acabar criando uma via falsa, bronquiospirando e piorar mais ainda a respiração”.

A profissional comenta que é imprescindível conduzir o cão imediatamente ao médico veterinário, pois ele corre risco de morte e precisa hidratação intravenosa.

 

20. Dê carinho e atenção

Os bichinhos de estimação adoram um carinho, principalmente os cães. Estímulos e atenção melhoram o humor dos animais, que naturalmente ficam cabisbaixos nos períodos mais quentes. Além de sentirem-se importantes e amados, o que melhora sua qualidade de vida.

Fonte(s): Canal do Pet, Portal Educação, Vida de Veterinária
Monique Duarte
26 anos, jornalista, sonhadora que ama comer e dormir! Se cariocas não gostam de dias nublados, ela nasceu no lugar errado.

Tá na rede!

Quero mais!

Veja mais artigos!

Em caso de chefe
clique aqui